12 maio 2011

Vinis Do Vinil - Post #1



Resolvi fazer algumas inserções comentando alguns discos e dei o nome "Vinis do Vinil" para essa série. Neste primeiro video destaco quatro discos, o primeiro deles é o novo álbum do Pains Of Being Pure At Heart, uma banda que me tornei fã logo no primeiro disco deles lançado em 2009. Daí comecei a pegar todos os singles em vinil, muitos deles coloridos e adorei aquele 12 polegadas, "Higher Than The Stars", lançado em outubro de 2009. Esse disco novo, "Belong", é bem mais produzido que o anterior pois tem Flood e Alan Moulder como produtores, dois caras experientes e que já trabalharam com muita gente famosa como Smashing Pumpkins, Depeche Mode, PJ Harvey e U2. O resultado poderia ser algo over-produced, mas mesmo contrariando os mais radicais em relação a banda, o disco mantém o estilo do Pains Of Being Pure At Heart e não os entregou aos leões, como alguns pensavam.

Os vinis da gravadora Third Man Records, o selo do Jack White são meus objetos de desejo ultimamente. Não perco um lançamento, até mesmo aqueles disquinhos de "spoken word" que ele lançou recentemente eu peguei. O discos ao vivo gravados em sua loja são coisas exclusivas e imperdíveis. Jack White adora resgatar nomes do passado que fizeram história. Há poucos anos ele fez isso com a cantora country Loretta Lynn e produziu o espetacular álbum "Van Lear Rose". Agora em sua gravadora ele gravou a rainha do rockabilly Wanda Jackson, que andava esquecida e muitos desconheciam sua importância como a pioneira das mulheres a cantar rock and roll. Incentivada por Elvis Presley, depois de um breve romance, Wanda Jackson acabou ganhando o título de "Queen of Rockabilly" no final dos anos 50. Em "Party Ain't Over" Jack White e a banda da Third Man acompanham Wanda Jackson em clássicos como "Shakin' All Over", "Nervous Breakdown" e "Rip It Up" dentre outras. A capa é esse charme que voces veem no video, a idéia do cartão musicado é mais um dos truques de marketing de Jack White.

Outro atrativo em vinil é a edição tripla do álbum "Party Store" do Dirtbombs, a banda de Detroit que preferiu fugir da super exposição quando aconteceu o estouro do White Stripes no início de 2000. Mantendo aquele estilo garageiro que os consagrou eles inauguram uma nova fase no som do grupo, com influencias de pós punk e psicodelia.

Pra finalizar eu mostro uma edição em vinil dupla da coletanea "Wave of Mutilation" dos Pixies, que vem num irresistivel vinil na cor laranja, combinando com toda estética da belissima arte de capa do disco. Por ora é só, mas teremos mais inserções em breve.

10 comentários:

Rogerio Teixeira disse...

Com KID não tem bola fora, ele recomenda e eu vou atrás, SÓ SOM DE QUALIDADE!!!!
VIVA KID

Edson disse...

Disse tudo Rogerio, quem entende, entende.

Tony disse...

Muito legal as dicas mais conta aí qual o som que ta rolando de fundo ???

Jotabê disse...

Kid, este nôvo "vinis do vinil", substituirá o "Artrock" postados no Youtube ???

kid vinil disse...

por enquanto sim, mas quero voltar em breve com o podcast, é q estou pilhado preparando dois livros ainda pra este ano, espero. abs

Jotabê disse...

Que pena!!! Adorava o "Artrock" no Youtube, não perdia nenhum, valeu Kid!!!

Anônimo disse...

kid, qualquer dia faz uma panorâmica sobre a sua coleção de cds e vinis, por favor. um vídeo geral, mostrando as prateleiras, os itens mais amados, a sua aparelhagem de som, etc. eu (e muitos outros leitores) se deleitariam com um vídeo assim.

Rogerio Teixeira disse...

Pegando carona na pergunta de Jotabê, VAI ROLAR PODCAST do VINIS DOS VINIL? Os seus podcasts são fundamentais.

Rogerio Teixeira disse...

Pagando carona na pergunta de Jotabê, O "VINIS DO VINIL" VAI VIRAR PODCAST? Por favor arrume um tempinho para nos dar esse presente!

Carlos Nishimiya disse...

vamos voltar, sim!
o único empecilho é conseguir um tempinho para isso...
com o material que o Kid tem para mostrar é cada vez mais necessário o podcast...
valeu pessoal
Carlos