28 agosto 2009

Aberrações




Duas verdadeiras aberrações musicais acabam de ser lançadas. o novo álbum dos britanicos do "Shit and Shine" e o mais recente dos americanos do Lightning Bolt.
O que essa duas bandas tem em comum? Simples, o barulho ensurdecedor que eles fazem.
O Shit and Shine é formado por músicos ingleses e americanos e revezam na formação vários bateristas e guitarristas. Começaram em 2004 fazendo uma fusão ensurdecedora de garage rock e heavy metal. Agora em seu oitavo lançamento o álbum "229-2299 Girls Against Shit" a banda desfruta do maior respeito dos críticos das lojinhas indies mais renomadas da Inglaterra, como a Norman e Piccadilly. Num recente review da Norman Records, eles conseguem a melhor definição para o som do Shit And Shine, conforme a critica:
Oh Man the latest Shit and Shine record is totally awesome. From the moment I hit play I'm smashed over the head with some ugly, nasty overloaded distorted repetitive heavy rock music. 'Have you Really Thought About Your Presentation?' is a blistering opening track to say the least. It's nuts! It's ridiculous and I LOVE IT! I could quite happily leave the record there and I'd die a happy man BUT there are another 19 tracks of mayhem, weird samples, noise, feedback primal drum pounding. It sounds like a bunch of neanderthals getting wasted and making a pretty messed up noise record. There are some quite brutal and harsh moments on here with pretty much everything being in the red. Having said that there is a sense of control and not just total chaos. A lot of the rhythms are very precise and the drumming is pretty damn tight. Some of the album is so over the top it's almost cartoon-ish and you get a distinct sense that these guys really don't take things too seriously. It's totally absurd and I get the same joy and twisted comedy fun that I got from the Butthole Surfers way back. Man this my even be there best one yet!!!! CD and 2LP to follow on Riot Season and you need it in your life. '229 2299 Girls Against Shit' is mastered mighty loud so watch yer speakers!
É Incrivel como os ingleses encaram o som do Shit And Shine, num dado momento o crítico diz "é ridículo, mas eu adoro". Baterias tribais e comparados a um bando de homens de neandertal enfurecidos,fazendo muito barulho. Mas o "noise" por incrivel que pareça é organizado e tem uma certa disciplina, não chegam ao caos total.Ainda dizem que eles não levam as coisas tão a sério,chegam até a lembrar o caos bem humorado do Buthole Surfers no passado. O disco foi masterizado tão alto, que eles ainda recomendam tomar cuidado com o volume das caixas ao ouvi-lo.


O Lightning Bolt já é mais conhecido e cultuado por aqui, a principio um trio formado em 1995, mas com a saida do vocalista em 2001 para formar o Black Dice, o batera Brian Chippendale enfiou literalmente o micorfone na garganta e acabou dando uma cara mais tribal ainda pro som do Lightning Bolt. A primeira vez que vi o DVD "Power Of Salad" de 2003 fiquei impressionado com aquele microfone enterrado na garganta de Brian e preso com fita adesiva, dando a impressão de um paciente terminal ligado aos fios numa UTI fazendo sons guturais e tocando ao mesmo tempo. O terceiro álbum "Wonderful Rainbow" de 2003 e o quarto disco "Hypermagic Mountain" de 2005 são considerados o melhores deles. Em breve sai o quinto disco do Lightning Bolt "Earthly Delights", mantendo a tradição "noise" dos anteriores e a demencia baixo e bateria UTI + grunhidos.

10 agosto 2009

WILLY DEVILLE - 1953 - 2009


Faleceu na quinta feira 06 de agosto Willy DeVille, americano de New Jersey, conhecido por seu trabalho durante o punk new wave americano como Mink DeVille.Meu primeiro contato com sua música foi nos tempos da saudosa loja paulista Wop Bop Discos. Por volta de 77 começavam a chegar na loja os primeiros discos de punk/new wave e foi lá que eu conheci Elvis Costello,Vibrators,Talking Heads,Blondie,Tuff Darts e mais uma boa parte da cena novaiorquina que tocava no CBGB. Um dos donos da loja era o jornalista Rene Ferri, que manja muito de rock and roll, principalmente roots. Lembro que o Rene às vezes me gravava em fita cassete umas compilações fabulosas de oldies. Foi ele quem me deu a dica das "pub bands" inglesas como Dr Feelgood,Nick Lowe, Dave Edmunds, The Rumour e Graham Parker. Foi graças ao Rene que eu passei a entender melhor todas as vertentes do punk e da new wave, sem me tornar um radical que gostasse só de Sex Pistols e Ramones. Descobri que existia um mundo maravilhoso além da fronteira do punk rock, que não era necessariamente punk no som, mas na atitude. Era o caso desse grupo americano que acabava de ter seu primeiro LP lançado no Brasil, Mink DeVille e o álbum "Cabretta". Sempre achei que Mink DeVille fosse o nome do cara e não da banda, mas seu verdadeiro nome é Willy DeVille. Considero "Cabretta", esse disco de estréia de Mink DeVille em 1977, um dos clássicos do punk/new wave novaiorquino. Um dos hits desse álbum é "Spanish Stroll", que tem uma construção musical que resgata backing vocals sixties e harmonias que misturam baladas mexicanas com rock and roll. Como Mink Deville ele gravou seis álbuns até 1985, todos altamente recomendáveis. A partir de 1987 passou a assinar como Willy Deville e gravou seu último álbum no ano passado, chamado "Pistola". Foram 12 álbuns como Willy Deville. No ano passado peguei um dvd chamado "Mink DeVille - Live At Montreux - 1982" um dos grandes shows de sua carreira, onde ele interpreta os grandes hits de sua primeira fase como Mink DeVille.
Mink DeVille foi um cara muito especial na minha formação musical, assim como o citado Rene Ferri, e me fez recordar uma época muito especial na minha vida. Era 1977 um tempo de grandes descobertas no terreno do punk e da new wave.

08 agosto 2009

LOVVERS, o disco do mês


Nessa minha incansável procura por um novo Undertones, Buzzcocks ou The Boys acabei me deparando com essa banda britânica que atende pelo simples e adorável nome LOVVERS.
No ano passado já tinha me apaixonado pelo primeiro EP do caras e agora sai esse tão aguardado álbum de estréia "OCD GO GO GIRLS" e não decepciona.Ouço ecos de Clash,Undertones,Who,Stooges,Television e Ramones na música dos caras, alguém disse que eles são uma mistura de Ramones com Minutemen temperados com 13th Floor Elevators. No myspace do Lovvers eles citam influencias raras do punk e garage rock como, Urinals,The Real Kids e The Barracudas.Essa é mais uma prova de que ainda existe vida inteligente no tão desgastado punk e powerpop.
Essa vida inteligente que eu me refiro começou pela escolha da gravação e da produção do disco. A banda foi para Portland nos EUA e escolheu Pat Kearns (da cultuada banda de punk Exploding Hearts) para produzir o disco. Isso faz a diferença quando se trata de uma banda de punk ou powerpop com inteligencia. Não basta tentar fazer punk nos dias de hoje, é necessário algum ingrediente especial e acredito que o Lovvers encontrou. Não quero apostar em coisas do tipo "a próxima grande banda", pois espero que eles nunca cheguem nisso. É preferível que eles continuem nesse estágio de banda cult e produzindo alguma coisa decente dentro de um estilo tão desgastado e explorado como foi o punk rock e o powerpop.
Se voce gosta de coisas novas influenciadas pelo punk lo-fi do Times New Viking e No Age o Lovvers será uma grande surpresa.
Deixo abaixo o novo clip do Lovvers, a música "OCD Go Go Girls". Alguém descreveu esse clip como se fosse David Lynch dirigindo as Bruxas de Blair com trilha do Exploding Hearts.
(Não sei onde tem link pra download, mas no meu caso eu já comprei o CD e o vinil, pois na minha opinião vale a pena investir neles) Se alguém souber de algum link, poste nos comentários.

06 agosto 2009

Na contramão do hype


Talvez 2009 seja um ano marcado pelo anti-hype, pois o que sinto é que a a maioria dos bons lançamentos desse ano não são os discos hypados pelo NME,Pitchfork, UNCUT e MOJO.
A começar pelo álbum do Future Of The Left, uma banda do País de Gales, que mais parece grupo vindo de Washington. Herdeiros do som pesado de bandas como Fugazi, o Future Of The Left traz dois membros do McLusky que era uma banda pesada, trabalharam com Steve Albini, e tinham muito a ver com Pixies e Big Black. Adicionando os teclados o Future Of The Left colocou um novo ingrediente, tornando-se um Stranglers da nova era, mas com aquele jeitão de Jesus Lizard. No ano passado fiquei impressionado com o cd ao vivo "Last Night I Saved Her From Vampires", é um disco assustador, a começar pelo titulo. Outro grande disco do Future of The Left é o primeiro álbum "Curses" lançado em 2007.Esse novo "Travels With Myself And Another" é sério candidato a um dos melhores desse ano.
Nessa linha do Future Of The Left posso recomendar outra nova banda britanica de Manchester chamada KONG, eles acabam de lançar o cd de estréia "Snake Magnet" e mais uma uma vez a influencia Jesus Lizard é evidente no som dos caras.

BOMBAY BICYCLE CLUB
Há uns dois anos venho acompanhando a trajetória do Bombay Bicycle Club através dos singles de vinil em 7 polegadas que eles lançaram. Sempre achei que o quarteto de jovens londrinos teria algum futuro pela frente. Dito e feito,o recém lançado disco de estréia "I had The Blues But I Shook Them Loose" é um dos melhores álbuns de indie pop de 2009, até agora.

Outra dica bem interessante é mais um grupo londrino o LET´S WRESTLE, que acabam de lançar o álbum "In The Court Of The Wrestling Let´s". Se voce gosta de Art Brut com certeza vai curtir o Let´s Wrestle.

Do Alabama(USA), aparece o quinteto Dexateens, conheci o som dos caras através de lançamentos anteriores pelo selo Estrus em 2004. Esse ano saiu o sexto disco do Dexateens "Singlewide", uma maravilha do rock americano que mistura a garageira herdada da Estrus com o folk rock tradicional.

Surpresa maior foi essa banda de Boston, chamada Zookeepers, uma mistura de elementos do pós punk com influencias dos anos noventa (Pixies e Buthole Surfers). O novo álbum "Ballin´Outrageous" é o melhor de 2009, segundo a revista Artrocker.

04 agosto 2009

A coisa tá feia pro lado do Arctic Monkeys



Essa matéria que coloquei logo abaixo, é uma critica publicada hoje no site da revista inglesa Artrocker, desaconselhando as pessoas a comprarem o novo disco do Arctic Monkeys. Já começa pela foto, uma montagem fazendo uma gozação com o Arctic Monkeys, querendo compará-los com o The Enemy, que foi pro saco logo no seu segundo álbum, lançado este ano. A tendencia "dark" de Humbug não agradou nem um pouquinho os caras, dizem que tá tudo muito devagar e apesar do disco ter vazado semana passada eles desencanaram do álbum logo nos primeiros 30 segundos de "Crying Lightning". Não sei, acho que eles pegaram pesado demais, até mesmo no final quando dizem que ao invés de dar 10 libras pra sustentar o vício de Alex Turner, porque não pegar essa grana e investir em 10 (eu disse 10!) excelentes cds em liquidação na amazon. Confira o comentário e a lista dos cds:


So in case you didn’t know, Arctic Monkeys’ third album leaked earlier this week and although I haven’t downloaded it I know from the 30 seconds I’ve heard of ‘Crying Lighting’ that I’d probably gain greater pleasure sticking a cheese grater up my arse and bopping down a hill on a space hopper than hearing the rest of the album. Don’t get me wrong, I used to be as keen as any other young 16 year old boy to jump to the defence of Alex Turner and his pals, but they’ve let me down. "But they’ve gone in a darker direction" wail the fanboys with their cocks firmly still up Turner’s arse. Since when has the definition of ‘darker’ been slowing your songs down to a mind-numbingly boring tempo and singing lyrics so metaphorically shit that he may as well be fapping into the microphone?

So the vibe you should be picking up from the above paragraph is come 24th August, purchasing Humbug should be the last thing on your mind. But OH NO! What will you do with that extra £10 you were going to finance Turner’s cocaine habit with? Well, how about you take that money and spend it on the giant car boot sale-come-record shop that is Amazon Marketplace. Here is a list of ten - yes, ten! - albums that you can get for the same price.

Sonic Youth - Dirty - 63p
Forget Daydream Nation, forget Goo and forget Confusion Is Sex if you’re one of those "I liked the earlier material", Dirty is Sonic Youths’ best album!

XX Teens - Welcome To Goon Island - £1.11
They seemed to play every festival going last year and that probably makes them feel a little better about the fact people are selling their album so cheaply only a couple of months after it was released.

Hot Club De Paris - Drop It ‘Till It Pops - £1
A completely essential album, most underrated album of 2006 without a doubt. Still get shivers every time I hear ‘Hello I Wrote A Song For You Called "Welcome To The Jungle"’.

Elle Milano - Acres Of Dead Space Cadets £1.49
If DITIP was the most underrated album of 2006 the same can be said for Elle Milano’s debut for 2008, maybe that’s why they’ve both been relegated to the Internet bargain bin.

Pulp - Different Class - 92p
The only way to party like it’s 1999 on a budget of 92p. If you’ve got a bit of a bigger budget for 1999 nostalgia, try Elefun

At The Drive In - Relationship Of Command - £1.69
If you haven’t got this, well… Go stick your cock firmly back up Alex Turner’s arse.

Blur - The Great Escape - 98p
With their recent comeback gigs, what better way to remind yourself of when they were a lot more exciting than gathering some penny’s together and buying this?

Grandaddy - The Sophtware Slump - £1.28
Probably the most obscure album on this list, and another massively underrated band. Pavement’esque college rock. Brooooooken Houseeeeeeehold Appliance.

Help She Can’t Swim - The Death Of Nightlife - 94p
Someone recently said "aren’t you a bit too old to be listening to them?"
I said "FUCK YOU. If I feel like listening to HSCS and feeling like I’m having a 13 year old girl’s tantrum… I will!"

Wheatus - S/T - 1p
Yes 1p! Worth it just for the nostalgic rush of hearing "A Little Respect". Fuck "Teenage Dirtbag" - that was just an anthem for middle class teenage girls who gave their boyfriends blow jobs in the toilets at the school disco.

Total - £10.05

Na minha opinião o disco não é tão ruim assim pelo contrário, eu adorei a transmissão via web, as músicas ao vivo ficaram melhores ainda. É uma mudança radical, mas fazer o mesmo disco todo ano enche o saco, concordam? Toda banda precisa mudar e prá melhor.