19 fevereiro 2008

FACES NA UNCUT


Deixei de comprar a revista Uncut por algum tempo, pois pagar quase 60 reais por uma publicação que na Inglaterra custa 4,30 libras (cerca de 15 reais) é sacanagem. O dolar caiu, mas o preço das revistas importadas continua o mesmo absurdo.
Mas, estava no aeroporto semana passada e passei na banca de revistas e não resisti, peguei a Uncut de março com Faces na capa.
Isso porque são os Faces que eu tanto adoro e traz ainda uma coletanea em CD com bandas novas, que tem algo a ver com o Faces, incluindo minha favorita no momento Drive By Truckers.
É uma ousadia pra Uncut colocar o Faces na capa, pois geralmente eles não arriscam e suas capas sempre se repetem (Led Zeppelin,Dylan, Pink Floyd etc.) enfim só bandas e artistas clássicos que vendem a revista. Provavelmente essa será a menor vendagem da Uncut, mas na minha opinião uma das melhores edições, pois além do Faces, tem uma matéria espetacular dos Byrds falando da fase Gram Parsons e o do álbum que hoje é um marco do country rock "Sweetheart of Rodeo". Tem mais, uma matéria do Madness, outra com Mike Love dos Beach Boys, American Music Club e ainda o gorducho pós Frank Black do Les Savy Fav. O disco do mês é o álbum "Brighter Than Creation´s Dark" do Drive By Truckers, na minha opinião um dos discos de 2008 que tá só começando.
Voltando ao Faces, queria dizer que meu primeiro LP importado comprado com o meu suor de office-boy em 1971 foi "A Nod is as Good as a Wink to a Blind Horse...", que traz o hit "Stay With Me".
Naquela epoca eu tremia quando passava na frente do "Museu do Disco" (a loja que trazia os discos importados). Lia sempre no Jornal da Tarde a coluna do Ezequiel Neves que era um Stones maníaco, e certo dia ele escreveu sobre o Faces e os primeiros discos solo do Rod Stewart.
Passando pelo Museu do Disco um dos balconistas chamado Odair era o cara mais ligado nas bandas emergentes, e seguindo a recomendação dele eu comprei "A Nod is as Good...." pra começar na saga Faces.
Certo dia passei na frente da loja e ele tava ouvindo num volume ensurdecedor "Twistin´The Night Away" do álbum solo de Rod Stewart "Never A Dull Moment", lembro que tinha pouca grana e ele me ofereceu aquela cópia que ele ouvia pela metade do preço porque pulava na última faixa, não vacilei e peguei imediatamente.
Considero esses dois discos duas obras clássicas do rock da decada de 70. O Faces começou no incio da decada de 70 a partir da dissolução do Small Faces, quando o guitarrista e vocalista Steve Marriot montou o Humble Pie. Os tres remanescentes Ian McLagan (teclados), Kenny Jones ( bateria ) e o baixista Ronnie Lane estavam perdidos e imediatamente encontraram o guitarrista Ron Wood que já tinha tocado com o Jeff Beck Group. Ron apresentou seu amigo Rod Stewart que também deixava a banda de Jeff Beck. Tava então formada a banda que por pouco não desbancou os Rolling Stones naquela epoca. Encurtaram o nome para Faces e no incio de 1970 lançam "First Step", um disco fortemente influenciado pelo blues da banda anterior de Ron Wood e Rod Stewart, o Jeff Beck Group. O álbum abre com "The Wicked Messanger" de Bob Dylan, um clássico obscuro de 1967 do álbum "John Wesley Harding".
Um disco que reune o lado blues de Ron Wood com as raízes folk do baixista Ronnie Lane que assinava várias faixas.
Paralelo a isso Rod Stewart assina contrato com o selo Mercury para lançar seus álbuns em carreira solo, mas o interessante é que seus quatro primeiros discos trazem praticamente todo Faces como sua backing band. Por essa razão quando falo em Faces também posso me referir a esses discos de Rod Stwart como discos do Faces.
De certa forma isso é que atrapalhou a carreira do Faces, pois a partir dos álbuns "Gasoline Alley" e "Every Picture Tells a Story" Rod Stewart começou a se destacar mais ainda começando a vender milhões de cópias na Europa e nos EUA. Sucessos como "Maggie May" e "Reason To Believe" poderiam facilmente ter sido gravados pelo Faces, uma vez que eles tocam na gravação de Rod, mas ele preferiu deixar as músicas de maior potencial comercial pros seus álbuns em carreira solo. Isso sempre desagradou seus companheiros do Faces, até que chegou um momento depois da gravação do quarto disco "Ooh La La" em 1973 que a banda descontente resolve se separar, pois o guitarrista Ron Wood acabava de ser recrutado para os Rolling Stones, substituindo Mick Taylor. Rod Stewart por sua vez partiu pra sua milionária carreira solo lançando "Atlantic Crossing" acompanhado por outros músicos e daí pra frente visando sómente o sucesso comercial e esquecendo as maravilhas que fez com seus amigos do Faces.
O legado Faces é uma das jóias raras e esquecidas do rock britanico da decada de 70, este ano a Warner inglesa promete reeditar os quatro álbuns do Faces com faixas bonus, são eles:
FIRST STEP - 1970
LONG PLAYER - 1971
A NOD IS AS GOOS AS A WINK...TO A BLIND HORSE..." - 1971
OOH LA LA - 1973
E se alguém se interessar em ouvir os quatro primeiros álbuns em carreira solo de Rod Stewart acompanhado pelo Faces, pode arriscar tranquilamente, pois eles não tem nada a ver com o Rod Stewart que a maioria das pessoas conhecem. Rod era um cara que amava Dylan e sempre regravava uma de suas canções, em seus primeiros discos. Duas outras regravações históricas são "Angel" de Jimi Hendrix e ""Twistin´The Night Away" de Sam Cooke, do álbum "Never a Dull Moment". Pra completar segue a lista dos quatro discos de Rod Stewart onde tocam os integrantes do Faces:
THE ROD STEWART ALBUM - 1969
GASOLINE ALLEY - 1970
EVERY PICTURE TELLS A STORY - 1971
NEVER A DULL MOMENT - 1972



7 comentários:

evb62 disse...

Excelente post! Obrigado por falar de uma banda que às vezes é injustamente esquecida.

Eu conhecia o Rod Stewart apenas pelos maiores hits dos anos 70, e nunca tinha dado muita bola para ele ou para os Faces. Recentemente descobri esses álbuns que você menciona, e vi que estava enganado.

Apenas um pequeno reparo: Kenney Jones não deu muito certo no Who e saiu após "It's Hard", de 1982.

Desde os anos 90 o Who tem sido acompanhado nos shows pelo Zak Starkey, filho do Ringo Starr. Zak foi convidado para ser membro permanente, mas preferiu continuar free-lancer no Who (e no Oasis).

Eu vi um show do Who em 2000, com o Starkey, e posso dizer que ele é um baterista à altura da banda (Entwistle ainda era vivo).

Alexandre disse...

Faces ! Eu deveria criar vergonha na cara e ter algo deles mas, não ! Bandássa !

Kid, ontem, a TV a cabo exibiu um documentário sobre o Tom Petty ! Este cara é genial...

Katacultura disse...

Kid,
vi essa uncut em uma banca aqui. faces tem músicas que devem figurar em qualquer coletânea do rock inglês. O Long Player é o meu favorito. amanhã vou voltar na banca(acho que o meu bolso não vai gostar muito).
Excelente post.
Abração

Anônimo disse...

Pra quem só conhece o Rod Stewart pós-Atlantic Crossing não sabe o que está perdendo...

kid vinil disse...

realmente eu confesso que "A nod as good as wink....." é um dos discos da minha vida, quanto mais ouço mais continuo gostando, talvez seja o disco que mais ouvi em toda minha vida.
Essa semana comprei novamente uma edição em vinil de "Gasoline Alley" do Rod Stewart, já tinha duas da epoca, agora tenho tres, são poucos os discos que faço questão de ter tantas edições diferentes. Realmente quem conheceu Rod Stewart depois de "Atlantic Crossing" não sabe o que perdeu antes disso, valeu!

Anônimo disse...

Kid,
você tem o vinil do Small Faces - Firts Step?
Porque eu tenho e, gostaria de vender! Bj, Silvia

kid vinil disse...

Oi Silvia
puxa vida eu tenho tudo do faces, em cd e vinil, sou um super fã, mas valeu pelo recado,bjs