30 janeiro 2008

JAKOBINARINA

A fascinante Islândia, tão bem retratada no livro "Rumo à Estação Islândia" de Fábio Massari, nos dá mais um de seus frutos musicais, o sexteto Jakobinarina.

Essa terra gélida e misteriosa já deu ao mundo Sugarcubes/Bjork e os maravilhosos Sigur Ros, dentre outros.

O Jakobinarina vem dos suburbios de Reykjavik, eles dizem que só não são a banda mais famosa da Islândia porque não cantam no idioma deles, preferem cantar em inglês, por essa razão preferem ficar sediados na Inglaterra.

Em 2006 lançaram um de seus primeiros singles "His Lyrics are Disastrous" pela Rough Trade, no ano passado assinaram com o selo Regal e lançaram o álbum "The First Crusade", um dos grandes discos de 2007, que diante de tantos bons lançamentos quase passa despercebido.

Os integrantes do Jakobinarina são bem jovens, o mais novo tem 17 anos, em entrevista recente para a revista inglesa Artrocker eles disseram que pra compor o material do álbum "The First Crusade" na epoca eles estavam ouvindo Futureheads,Velvet Underground, Black Sabbath e Led Zeppelin. Mas, ouvindo o disco a gente encontra muitas referências de punk rock, ska e pós punk, principalmente nas músicas "His Lyrics are Disastrous" e "This is an Advertisement".

No ano passado a banda abriu shows do Kaiser Chiefs e The Cribs por toda Europa, tornado-os mais conhecidos no circuito indie rock. Neste inicio de ano eles preparam um novo EP, e prometem uma nova direção musical, fruto de suas pesquisas em várias decadas da música pop.
Vale a pena dar uma conferida no som deles no myspace:

http://www.myspace.com/jakobinarina





21 janeiro 2008

MAGNETIC FIELDS


A banda americana Magnetic Fields lança seu oitavo álbum "Distortion", já aclamado pela crítica como um de seus melhores discos.

O grupo começou em 1990, obra de um cara genial chamado Stephin Merritt. Há quatro anos sem lançar discos do Magnetic Fields, Stephin Merrit também se dedicava a trabalhos paralelos como coisas mais chegadas no electro rock em seu projeto Future Bible Heroes, ou ainda Gothic Archies e The 6ths.

Só esclarecendo pois algumas pessoas podem interpretar como todas as bandas paralelas do Stephin Merrit tenham uma tendencia eletronica, não é assim, isso aconteceu apenas com o projeto Future Bible Heroes, os Gothic Archies e The 6ths tem mais uma cara lo-fi e retrô,tá explicado!

Os dois trabalhos anteriores do Magnetic Fields "I" de 2004 e "69 Love Songs" foram discos elogiadissimos, principalmente este último citado, um cd triplo de 1999.

Para fazer "Distortion" Stephin Merritt disse que queria algo que soasse como Jesus And Mary Chain em "Psychocandy", mas que não parecesse uma cópia. O nome do disco tem uma certa relação com o som, ele conseguiu fazer da distorção algo lo-fi, como se fosse um "wall of sound" mais calmo e menos estridente. O vocal de Stephin Merrit é muito peculiar, aquele vozeirão tipo Neil Hannon do Divine Comedy e Scott Walker. Em outras faixas do disco também aparecem os suaves vocais de Shirley Simms.

Por falar em "wall of sound" (a grande invenção de Phil Spector) se as novas bandas tivessem que pagar direitos pro seu criador, acho que Phil conseguiria pagar todas as fianças pra sair livre dessa acusação de homicidio, pela qual ele está sendo julgado há anos.Recentemente diversas bandas bebem no "wall of sound", dois exemplos modernos são o Glasvegas e Johnny Boy.

Voltando ao Magnetic Fields eles conseguiram fazer de "Distortion" um álbum bem equilibrado, usando muito "feedback" e "distorção" de fundo, mais os requintados arranjos de violinos, celos e teclados. As baladas são mais sixties influenciadas por Big Star e Nick Drake.

Ouça faixas desse belissimo disco do Magnetic Fields no myspace:

http://www.myspace.com/themagneticfields

19 janeiro 2008

THE TEENAGERS

Capa muito comportada para um trio francês de garotos em torno dos 20 anos de idade.
Primeiro porque a maioria das letras do Teenagers falam de sacanagem adolescente, temática de acordo com o nome da banda.
O single de estréia deles leva o título de "Homecoming" saiu já faz algum tempo e tem uma letra que faria Serge Gainsbourg ficar corado de vergonha. Por outro lado foi com essa música que eles atrairam a atenção do NME que deu single da semana pra eles naquela epoca. No ano passado lançaram outro single "Starlet Johansson" com referencias "glam" e "electro rock".

No final deste mês sai "Reality Check", o álbum de estréia do Teenagers, que conta com doze faixas incluindo os singles "Homecoming" e "Starlett Johansson.
O disco é um desfile de músicas construidas a partir de influências glam rock (Roxy Music,Mott The Hoople, Sparks) e muita 80´s New Wave e power pop. com vocais a la Raspberries.
Às vezes parece que a banda também tem uma certa fixação por Jarvis Cocker e aqueles vocais meio declamados do Pulp.
Na teceira música do disco "Feeling Better" tem uma referencia interessante a New Order/Joy Division, num riff de guitarra tirado de "Ceremony".
O intereressante é que os garotos beberam em fontes diversas do pop 80, tipo aquelas bandas adocicadas como Alphaville, A-Ha, ABC, com nuances de Human League, Gary Numan e Associates.
Outro detalhe que eu sempre vejo nas bandas francesas é a vontade de ser o 10cc da nova era, isso já acontecia com o Air, e volta agora com o Teenagers, é um bom sinal.

Fontes pra ouvir o Teenagers
http://www.unapieldeastracan.blogspot.com/
http://www.myspace.com/theteenagers

18 janeiro 2008

THESE NEW PURITANS

E quando eu pensava que a gravadora Domino lançaria sómente dois grandes discos em janeiro, eis que surge mais um fabuloso lançamento, o disco de estréia do quarteto ingles These New Puritans.
A banda começou em 2005, a primeira vez que ouvi alguma coisa deles foi no programa do Ferando Kaida, "Pop Link", depois peguei aquela coletanea "Digital Penetration" que trazia as bandas estreantes de 2005 como, Klaxons,Shitdisco,Crystal Castles e New Young Pony Club e trazia uma faixa com o These New Puritans.
No ano passado eles lançaram alguns singles, dentre eles uma edição limitada em 12" polegadas de uma trilha que eles fizeram para um desfile da Dior. No final de 2007 o single "Numbers".
Pra uma banda que tem dentre tantas influencias Zappa, My Bloody Valentine e Dr Feelgood ao mesmo tempo, pode-se esperar de tudo.
A sonoridade que domina esse disco de estréia é algo pós-punk e até mesmo electro-punk e muitos samplers.
Como eu já previa na minha postagem sobre as bandas revelações para 2008, o som deles às vezes é experimental demais e em certos momentos beira o radiofônico.
O disco contém 16 faixas, sendo que quatro delas são vinhetas com muitos samplers.
O novo single "Elvis" é uma das faixas mais fortes do disco, talvez até faça um certo sucesso lá fora, foi produzida por James Ford do Simian Mobile Disco. A música tem um jeitão daquele vocal de Mark Smith e por acaso lembra bastante The Fall. Mas isso não é ruim, muito pelo contrário eu adoro bandas influenciadas por The Fall.
Um disco às vezes sombrio e outras frenético, porém um grande álbum de estréia.

Para ouvi-los e entender melhor o som do These New Puritans, entre no
http://www.unapieldeastracan.blogspot.com/
ou no myspace
http://www.myspace.com/thesenewpuritans

16 janeiro 2008

LIGHTSPEED CHAMPION

A minha gravadora favorita, a inglesa Domino Records, começa 2008 a todo vapor lançando dois grandes álbuns.
O primeiro é o disco de estréia de Dev Hynes, ex-integrante da banda Test Icicles, que há uns dois anos atrás lançou em excelente disco pela Domino e infelizmente se desfez.
Quando a banda acabou Dev Hynes resolveu dar uma outra direção para o seu som, daí começou a trabalhar em músicas mais pro folk e com um certo apelo pop. Na epoca ele ouvia muito Elvis Costello e Serge Gainsbourg e daí veio a inspiração para o primeiro single "Galaxy of The Lost", lançado no inicio de 2007.
Depois veio o single "Midnight Surprise", uma faixa com 10 minutos de duração dividida em tres partes.
Pra essa música ele contou com a colaboração dos vocais da galera do Tilly and The Wall.
Logo no inicio de janeiro saiu mais um single do Lightspeed Champion chamado "Tell Me What It´s Worth", em que Dev Hynes conta com a participação vocal da cantora Emmy The Great (uma revelação dessa nova safra de interpretes e compositoras britanicas) e ainda Tim Casher das bandas Cursive e The Good Life, de Omaha no Nebraska, onde Dev Hynes gravou seu álbum.
Nas tres diferentes edições desse single o lado B é sempre de covers, uma é do sensacional Patrick Wolf, a outra é de Amy Winehouse e a terceira cover é de Olivia Newton John e o hit da decada de 80 "Xanadu".
Nesta semana sai o álbum "Falling Of The Lavender Bridge", gravado em Nebraska (USA) e mais uma vez ele contou com a participação de membros do Tilly And The Wall, do Cursive e do The Faint.
O Lighspeed Champion está abrindo shows do Bright Eyes,Patrick Wolf e Good Shoes, e em breve se as criticas continuarem favoráveis, Dev Hynes poderá se tornar um novo Elvis Costello, pois potencial como compositor e interprete ele tem de sobra.

SONS & DAUGHTERS

O segundo e celebrado lançamento da Domino, é o álbum "This Gift" dos escoceses do Sons & Daughters.
Essa banda me cativou desde o primeiro álbum "Love The Cup" em 2004, onde se destacava o single "Johnny Cash".
Em 2005 veio "The Repulsion Box", um disco bem mais produzido que o primeiro EP e a banda chamou a atenção de Morrissey, que os convidou para abrir os shows de sua tour de 2006.
No final do ano passado eles lançaram o single "Gilt Complex", uma música com um riff e uma levada rock´n´roll de sair dançando. O lado B desse single é uma regravação de "Killer" sucesso de Adamski no inicio da decada de 90. A cover dessa música ficou tão boa que já virou febre nos set lists dos djs mais "descolados" da Inglaterra. Por incrível que pareça ela não foi incluida no CD "This Gift"que sai dia 28 de janeiro. Ficou sómente para os Djs que compraram o vinil de 7" polegadas.
Esta semana mais um single "Darling" uma deliciosa canção sixties no melhor estilo Motown e pra fazer as Pipettes morrerem de inveja. Na próxima semana sai o terceiro álbum "This Gift", com todas as boas referencias rockabilly, as influencias de Johnny Cash e o vocal muito especial de Adele Bethel, que lembra demais as "girl groups" dos sixties.

Ouça "Darling" e outras músicas do Sons & Daughters no myspace:
http://www.myspace.com/sonsanddaughters

15 janeiro 2008

Splish Splash - Punk Special 1987!


Olá, aqui é o Carlos...mais um programa Splish Splash, desta vez um especial de punk rock e algumas outras coisinhas a mais! Esta é mais uma fitinha sem a data do programa anotada, mas eu estou chutando que tenha ido ao ar por volta de setembro de 1987. O tema do especial era de bandas punks fazendo covers. Várias faixas hilariantes como os covers de "Let's Twist Again" (virou "Get Pissed Again"), "Singing In The Rain" e "Love Me Tender". Esta última é com uma banda alemã que não consegui identificar o nome. Se alguém souber, por favor, deixe um recado!
Tem ainda duas músicas raras da exótica Toyah Wilcox, ótimo technopop, da hoje esposa de Robert Fripp.
Baixe o programa neste link!

Playlist:
1.SHAM 69 - White Riot
2.COCKNEY REJECTS - Motorhead
3.ACTION PACT - Rockaway Beach
4.?? - Love Me Tender
5.METALLICA - The Wait
6.D.O.A. - Singing in The Rain
7.ERAZERHEAD - Get Pissed Again
8.BLACK FLAG - Louie Louie
9.ABRASIVE WHEELS - Jailhouse Rock
10.EATER - Waiting For The Man
11.THE SISTERS OF MERCY - Gimme Shelter
12.TOYAH - Good Morning
13.TOYAH - Tribal Look
14.DEAD KENNEDYS - Pull The Strings

14 janeiro 2008

AGAINST ME!

Nunca prestei atenção nessa banda, mas depois que a revista americana Spin deu pra eles disco do ano de 2007, fui atrás do álbum "New Wave" pra conferir.
A banda Against Me! é da Florida (USA). o primeiro disco deles saiu em 2002 e tinha um titulo bem interessante "Reinventing Axl Rose"(reinventando Axl Rose), um de seus primeiros hits.
No começo a banda misturava suas influencias folk e country, a paixão por Billy Bragg, Pogues e Replacements.
Depois desse vieram mais tres álbuns com uma direção mais pro punk rock
-As the Eternal Cowboy (2003)
-Searching for a Former Clarity (2005)
-Americans Abroad!!! Against Me!!! Live in London!!!
Em 2007 eles lançaram "New Wave" produzido por Butch Vig ( o lendário produtor de "Nevermind" do Nirvana e claro, baterista do Garbage).
O próprio nome do álbum "New Wave" já marca uma leve mudança no som da banda, em termos de comparação é a mesma coisa que Nirvana produzido por Jack Endino e depois super produzido por Butch Vig. Infelizmente o Against Me! não teve a mesma sorte do Nirvana, continuam no underground.
Que fique bem claro, essa comparação com Nirvana é apenas por causa dos produtores, o som não tem nada a ver, os caras estão mais pra punk e Replacements do que pra banda do falecido Kurt Cobain.
A primeira edição do CD "New Wave" vem com um dvd gravado ao vivo, bom pra gente conhecer melhor a banda, os caras não usam nenhum truque de produção, blue jeans e camista preta, duas guitarras poderosas, uma Gibson Les Paul e o vocalista usa uma sensacional Rickenbaker, isso me conquistou mais ainda, pois a combinação da sonoridade dessas duas guitarras é perfeita. Os Byrds usavam Rickenbaker, o Jam, o Who, e a Gibson Les Paul era o som do New York Dolls, do Jonnhy Thunders. do Marc Bolan e do Sex Pistols.
Num mundo perfeito o Against Me! seria um sucesso, mas a sorte não lhes sorriu ainda, mês que vem eles serão banda de abertura do Foo Fighters na Europa, quem sabe levando o som deles para um publico maior eles virem esse jogo.

http://www.myspace.com/againstme

06 janeiro 2008

Palpites de bandas para 2008

Seguem agora alguns palpites de bandas que tem potencial pra estourar em 2008.
Por favor interpretem isso apenas como sugestões, pois não tenho "bola de cristal" pra afirmar com certeza quem será a bola da vez desse ano.
A minha primeira aposta vai pros escoceses do Glasvegas, e não só eu aposto nessa banda, mas o lendário Alan McGee ( que um dia nos deu Jesus and Mary Chain, My Bloody Valentine,Primal Scream e Oasis), também aposta neles no seu blog.
O single "Daddy´s Gone" na minha opinião foi a melhor música de 2007.
Pra definir o som eles deixam bem claro o termo "Wall Of Sound" até na capa do disco.
Influenciados por Phil Spector, Smiths e Jesus and Mary Chain, dentre outros, o som do Glasvegas fica martelando na minha cabeça o tempo todo."Daddy´s Gone" foge das letras romanticas convencionais, fala sobre pais que se separam dos filhos e da familia, um assunto nada peculiar pra letra de banda pop, mas eles conseguiram fazer disso a melhor música que eu não ouvia há anos. Acho isso um bom presságio, pois a última vez que tal efeito aconteceu comigo foi quando comprei o compacto de "This Charming Man" dos Smiths na decada de 80.
O novo single do Glasvegas "It´s My Own Cheating Heart That Makes Me Cry" sai em fevereiro
abaixo alguns links pra voce conhecer o som do Glasvegas:

http://frequenzeindipendenti.blogspot.com/2007/11/viva-glasvegas.html http://www.myspace.com/glasvegas
http://www.bebo.com/Profile.jsp?MemberId=4875873182


....................................................................... FOALS

Outra banda britânica que eu acredito bastante é o Foals, eles gravam pelo selo independente Transgressive Records, a mesma gravadora que revelou no ano passado o The Young Knives.
Em 2007 a Transgressive lançou um mini álbum ao vivo do Foals, que foi o disco de estréia deles na gravadora, depois vieram alguns singles como "Mathletics" e "Balloons". Até fevereiro sai o álbum de estréia do Foals.
http://www.myspace.com/foals

THESE NEW PURITANS

Também do Reino Unido, o These New Puritans é uma aposta menos pop e mais alternativa pra quem procura bandas mais "cabeça" influenciadas por The Fall e My Bloody Valentine.
Provavelmente eles não farão muito sucesso comercial, mas vão desfrutar de um certo hype da imprensa especializada.
http://www.myspace.com/thesenewpuritans


BLACK KIDS
De Jacksonville na Florida vem a resposta americana aos canadenses do Arcade Fire.
Você pode baixar o EP "Wizzard of Ahhhs" no site da banda, onde eles disponibilizam gratuitamente
http://www.blackkidsmusic.com/

a página no myspace
http://www.myspace.com/blackkidsrock


THE DISPLACEMENTS

Vindos da cidade de Leicester na Inglaterra, o Displacements assinou com a gravadora Stiff Records e lançou dois bons singles em 2007, o mais recente foi "Lazy Bones".
A banda tem a influencia pop básica dos bons tempos da Stiff Records de Ian Dury e Wreckless Eric, uma pitada de ska e punk pop do Undertones e Buzzcocks.
http://www.myspace.com/thedisplacements



VAMPIRE WEEKEND

Um grupo de estudantes novaiorquinos resolve montar uma banda pop influenciada pela música africana. Não é a primeira vez que isso acontece na música pop, a princípio nada de novo, pois Paul Simon já "saqueou" a cultura africana aos montes na decada de 80. Lembro que quando ouvia o programa de John Peel no final dos anos 80 e inicio dos noventa ele sempre tocava coisas do pop africano, acho que essa invasão da chamada "world music" ajudou muito na cultura musical da nova geração. Ouvindo o Vampire Weekend dá impressão que tudo tem um novo sabor, as músicas são envolventes, minha segunda melhor música de 2007 foi "Oxford Comma".
A banda acaba de assinar com o selo XL Recordings, hoje a casa do Radiohead, e lança seu álbum de estréia até fevereiro.
Pra ouvir o cd de estréia do Vampire Weekend:
http://bolachasgratis.blogspot.com/2007_12_01_archive.html
ou no myspace
http://www.myspace.com/vampireweekend

Outros nomes que eu acredito, Fanfarlo,The Courteeners, Cajun Dance Party, Los Campesinos,The Teenagers,Operator Please, Joe Lean & The Jing Jang Jong,The Sugars, XX Teens, Jakobinarina,Black Lips,Asobi Seksu e Vincent Vincent and The Villains.

Em tempo minha lista dos melhores discos de 2007, a principio hesitei muito em publicar uma lista, pois ouvi e descobri tanta coisa boa durante o ano que acabei rascunhando uma lista de mais de 200 discos, mas resolvi publicar sómente uma parte deles, então dividi em 2 listas de 20 discos, a lista lado B e a lista indie pop.
LISTA LADO B
1- Panda Bear - Person Pitch
2-Voice Of The Seven Woods - Voice of The Seven Woods
3-Angels of Light - We are Him
4- Tunng - Good Arrows
5-Band Of Horses - Cease to Begin
6-Battles - Mirrored
7-Shellac - Excellent Italian Greyhound
8-Om - Pilgrimage
9-Okkervill River - Stage Names
10-The National - Boxer
11-Spoon - Ga Ga Ga Ga Ga
12-Von Sudenfed - Tromatic Reflexxions
13-Grinderman - Grinderman
14-A Sunny Day in Glasgow - Scribbal Mural Comic Journal
15-Electrelane - No Shouts No Calls
16-Wooden Shijps - Wooden Shijps
17-Les Savy Fav - Let´s Stay Friends
18-Maps - We Can Create
19-Chesterfield Kings - Psychedelic Sunrise
20-Of Montreal - Hissing Fauna, Are you the Destroyer?

LISTA INDIE POP

1-The Enemy - We Live and Die In These Towns
2-Gallows - Orchestra Of Wolves
3-The Maccabees - Colour It In
4-The Pigeon Detectives - Wait For Me
5-LCD Soundsystem - Sound of Silver
6-The Wombats - Proudly Present a A Guide To Love Loss And Desperation
7-Klaxons - Myths Of The Near Future
8-Good Shoes - Think Before You Speak
9-Stalkers - Yesterday Is No Tomorrow
10-Arctic Monkeys - Favourite Worst Nightmare
11-Arcade Fire - Neon Bible
12-The Horrors - Strange House
13-White Stripes - Icky Thump
14-Rumble Strips - Girls & Weather
15-Babyshambles - Shotters Nation
16-Richard Hawley - Ladys Bridge
17-Jamie T - Panic Prevention
18-Jack Penate - Matinee
19-The Good The Bad and The Queen
20-Queens of The Stone Age - Era Vulgaris

20 Músicas

1-Glasvegas - Daddy´s Gone

2-Vampire Weekend - Oxford Comma

3-The Cribs - Men´s Needs

4-Maximo Park - Our Velocity

5-Kings Of Leon - Charmer

6-The Hives - Tick Tick Boom

7-Pete And The Pirates - Knots

8-The Young Knives - Terra Firma

9-Good Shoes - Small Town Girl (relançamento)

10-XX Teens - Darlin`

11-The Violets - Foreo

12-The View - Superstar Tradesman

13-The Shins - Australia

14-Interpol -The Heinrich Maneuver

15-New Young Pony Club - Get Lucky

16-The Go! Team - Doing It Right

17-The Editors -Racing Rats

18-Mum-Ra - She´s Got You High

19-I Like Trains - Spencer Perceval

10-Jakobinarina - Jesus


02 janeiro 2008

O Melhor dos Veteranos em 2007

O mundo não está tão moderno assim como a gente pensa, pois de certa forma alguns dos melhores discos de 2007 foram feitos por veteranos sem preocupação nenhuma com a modernidade.
Abaixo os 10 melhores discos de veteranos feitos em 2007, a lista abre com o meu favorito, o álbum de Robert Wyatt, o ex Soft Machine nos anos 60.
Aliás, vale lembrar que todos os discos do Soft Machine foram relançados em 2007 com faixas bonus, indispensáveis pra quem quer conhecer melhor a fase psicodélica dos primeiros álbuns com Robert Wyatt, além da fase jazz rock da banda.
Aos 62 anos de idade o ex baterista do Soft Machine é um belo exemplo de que pra se fazer boa música a idade não conta e nem mesmo as condições fisicas. Robert Wyatt sofreu um acidente no inicio dos anos 70, caindo da janela de um prédio durante uma festa e teve suas pernas paralizadas. Hoje ele vive numa cadeira de rodas, mas isso não impediu sua inquietação musical. Depois do acidente gravou aquele que é considerado seu melhor álbum solo "Rock Bottom" em 1974, em seguida outro clássico "Ruth is Stranger than Richard" (1975). A partir daí uma série de grandes discos em carreira solo, culminando com este "Comicopera" de 2007.
Um disco que mistura tendências e músicos de vários países, mais uma vez auxiliado pelo genial Brian Eno e pelo guitarrista Phil Manzanera ( concidentemente dois ex-Roxy Music).
Tem também convidados mais jovens como Paul Weller e pra minha surpresa a voz doce e maravilhosa da brasileira Monica Vasconcelos.
Agora um parênteses para falar de Monica Vasconcelos, essa menina é de Recife e vive em Londres há quase 15 anos. Eu a conheci há uns 8 anos atrás quando lancei o primeiro disco dela gravado em Londres.
Monica é uma perola ainda não descoberta pela grande mídia ( são as injustiças da vida), quem sabe agora, depois dos vocais no disco de Robert Wyatt a mídia passe a prestar mais atenção nela.
E, voltando ao disco de Robert Wyatt vale ainda lembrar que o álbum saiu pela Domino, a gravadora mais "cool" dos ultimos tempos, pois da mesma forma que descobre Franz Ferdinand, Arctic Monkeys e nosso Bonde do Role, contrata um gênio como Robert Wyatt e lança um dos melhores discos de sua carreira.


Saindo de Robert Wyatt, mas ainda na geração ex-Soft Machine encontramos Kevin Ayers que foi um dos membros fundadores da banda tocando baixo.
Sua carreira solo começa em 69, mas Kevin também tocou com gente importante do rock progressivo como Mike Oldfield e Steve Hillage.
O nome desse novo disco é "The Unfairground", uma mistura de folk e psicodelia, acompanhado por amigos muito especiais como, Teenage Fanclub, Euros Child e uma das revelações do pop ingles, a cantora Candie Payne.


Claro que nessa lista não poderia faltar o novo do Neil Young "Chrome Dreams II", o titulo se refere a um suposto primeiro "Chrome Dreams" que sairia no final da decada de 70, mas que Neil Young desistiu de lançá-lo, depois de mostrar pra cantora Carole King que ao ouvir disse que não passava de um disco de "demos".
Mal sabia ela que até as demo tapes de Neil Young são boas, esse cara nunca erra, depois do politico "Living With War" no ano passado, Neil Young volta a suas raízes de albuns clássicos como "Harvest", "After the Gold Rush","Tonight´s The Night" e "This Note is For You".
Dizer que Neil Young se repete a cada disco nesse caso pode soar como um elogio, pois seu estilo jamais vai cansar os fãs, e sempre vai soar como novidade.

O disco abaixo com certeza vai desagradar ou já decepcionou milhares de fãs do Led Zeppelin.
Não esperem nessa parceria de Robert Plant e a cantora de bluegrass Alison Krauss, um disco de rock and roll. Nada disso, o que temos aqui é um sensacional álbum de country music e baladas arrasadoras. O dueto de Robert e Alison é perfeito, apesar de parecer uma parceria nada convencional.


The Boss está de volta, dessa vez com a fabulosa E Street Band que o acompanhou por muito tempo. Pode não ser o melhor disco de Bruce Springsteen, mas mantém o nível e a qualidade de seu trabalho. "Magic" foi o segundo disco de 2007 pela escolha da revista Rolling Stone americana.




"Stardom Road" é o primeiro álbum de Marc Almond depois do acidente de moto quase fatal que ele sofreu em 2004. Nesse disco de regravações e sómente uma inédita "Redeem Me", Marc resgata também nos arranjos seus momentos mágicos do Soft Cell e revive canções clássicas como "I Close My Eyes And Count To Ten" de Dusty Springfield, num dueto com Sarah Cracknell do Saint Etienne. Tem também duo com Antony Hegarth ( Antony & The Johnsons) em "Ballad of The Sad Young Men". Os teclados ficaram por conta do genial Jools Holland.
Outro grande momento desse disco é a re-interpretação de " The London Boys" de David Bowie.




Nessa lista também não pode faltar o ex-Beatle Sir Paul McCartney, que acerta mais uma, fazendo um disco simples e objetivo, como aqueles que ele fazia no inicio dos anos 70 com sua falecida esposa Linda McCartney. Não espere nenhum clássico como "Ram", "Wild Life" ou "Band on The Run", mas assim como Neil Young, Paul é uma fonte inesgotável de boa música, e daí vem aquela pergunta "Quem precisa de um novo disco de Paul McCartney?", a resposta é simples, "nós Beatlemaníacos!"




O próximo da lista é um cara genial porém esquecido pela mídia, Ian Hunter.
Ele fez parte de uma das mais incríveis bandas do glam rock britanico, o Mott The Hoople, depois teve uma brilhante carreira solo.
Infelizmente hoje ele só é lembrado por causa de David Bowie e da música "All The Young Dudes", sucesso do Mott the Hoople em 1972.
Sempre fui um fã de Ian Hunter, tenho tudo do Mott The Hoople, mesmo sem ele, e tudo que Ian fez em carreira solo.
Esse novo disco "Shrunken Heads", tem a marca registrada das baladas matadoras de Ian Hunter e suas origens glam.

Pra encerrar essa lista dos dez melhores dos veteranos, duas mulheres que jamais me decepcionaram, a primeira é Joni Mitchell, canadense como Neil Young, essa mulher me cativou em 1971 com o seu álbum clássico "Blue". Daí pra frente só disco bom, ela estava sem gravar desde 2002 quando ela lançou o espetacular "Travelogue". Na epoca declarou à Rolling Stone americana que estava encerrando sua carreira, pois não aguentava mais a indústria do disco. Contrariando tudo isso ela volta em 2007 de forma independente com "Shine", um disco calmo, um mantra dentro da sutileza de uma Joni Mitchell.

Por falar em vozes sutis e envolventes encontramos mais uma nessa lista, a americana Tori Amos, que por coincidencia é influenciada por Joni Mitchell e Kate Bush.
Não tão veterana assim como os acima citados, mas de muita importancia, sua carreira começa divinamente em 1992 com o álbum " Little Eartquakes", e chega agora ao seu nono disco de estúdio "American Doll Posse". Assim como Joni Mitchell uma mulher inteligentíssima que em 23 faixas retrata a politica americana e discute o papel e a condição da mulher nesse contexto.


E a lista não para por aí, ainda temos:
PATTI SMITH - TWELVE
RAY DAVIES - WORKING MAN´S CAFE
DAVE DAVIES - FRACTURED MINDS
BRIAN FERRY - DYLANESQUE
STOOGES - THE WEIRDNESS
NICK LOWE - AT MY AGE
JOHN FOGERTY - REVIVAL
STEVE EARLE - WASHINGTON SQUARE SERENADE
Se lembrarem de outros, por favor completem a minha lista.