31 dezembro 2008

2008 "o ano que o punk não morreu"

Quem disse que o punk rock morreu está muito enganado, pois como estilo musical e influencia nessa nova geração ele está mais vivo do que nunca. Além do mais muitas das bandas clássicas daquele periodo de 77 a 80 continuam ativas e se apresentando ao vivo. Recentemente o Damned se apresentou em Londres junto com UK Subs, 999, Penetration e The Yobs, dentre outros num grande show no The Forum.
Em 2008 descobri uma nova geração influenciada por esse punk de 77 e não me decepcionei, resolvi fazer abaixo um top 10 dos melhores álbuns de bandas influenciadas pelo punk.
01 - JAY REATARD - "Matador Singles ´08" "Singles 06-07"
O primeiro dessa lista é o americano Jay Reatard, que eu já havia comentado aqui no blog, esse cara é de Memphis no Tennessee e está na ativa desde 1998, quando tinha sua banda Reatards, com quem lançou 4 álbuns. Em 2006 Jay Reatard resolveu partir pra carreira solo, montou seu trio e lançou o álbum "Blood Visions". Em 2008 assinou com o selo Matador e lançou essa coletanea de singles de 7 polegadas que foram editados em 06 disputadissimos singles de vinil, a partir de abril.



Na capa Jay Reatard aparece mergulhado numa banheira repleta de compactos de vinil.
O último dessa série de seis singles foi lançado com tres capas diferentes, cada um com a foto de um integrante de seu trio. Essas edições limitadas chegaram a valer quase cem dólares nos leilões do ebay.

A contra-capa desse "Matador Singles´08" merece ser mostrada, na foto acima um dos integrantes do trio de Jay Reatard está sentado no vaso sanitário vomitando compactos de vinil.
Um dos compactos dessa série, Jay Reatard fez um split com o Deerhunter e aparece nú na cama com Bradford Cox.

Ainda em junho de 2008 seu selo anterior In The Red Records lançou a coletanea "Singles 06-07", outra coletanea de compactos lançados nesse periodo. A primeira vez que ouvi Jay Reatard foi uma faixa deessa coletanea chamada "All Over Again" e me lembrou muito aquela banda punk britanica de 77 chamada The Adverts. Dentre outras influencias em seu trabalho estão Gary Numan,Wipers, Wire e sem dúvida Ramones.
http://www.myspace.com/jayreatard

02 - THE CUTE LEPERS - "Can´t Stand Modern Music"
Minha segunda escolha como melhor disco nessa tendencia digamos "influenciada pelo punk", pois não quero chamar isso de punk pop ou de terceira,quarta ou quinta geração do punk, não tem nada a ver, são apenas bandas que apreciam as coisas boas do punk rock. Esse é o caso do Cute Leppers, um grupo de Seattle, que não teve a mesma sorte do Fleet Foxes, mas fizeram também um dos melhores discos de 2008. Liderados pelo guitarrista e vocalista Steve E.Nixx ( é apenas uma brincadeira com a famosa cantora), a banda faz um som que me fez lembrar bastante Johnny Thunders & The Heartbreakers. Dá uma espiada no myspace deles e veja a lista das influencias.
http://www.myspace.com/thecutelepers


03 - LOVVERS - "Think"
Minha terceira escolha é uma banda britanica chamada simplesmente Lovvers, que lançaram em 2008 um ep chamado "Think" com 07 músicas barulhentas como Germs e Buzzcocks.

04 - FUCKED UP - "The Chemistry of Common Life"
O quarto melhor disco dessa lista ficou para os canadenses do Fucked Up. No inicio desse ano fiquei intrigado quando eles lançaram o single "Year Of The Pig" um épico do hardcore com mais de 10 minutos, intercalando sons progressivos de flautas e teclados com guitarras hardcore barulhentas. Contratados pela Matador em 2008 eles lançaram seu terceiro álbum "The Chemistry Of Common Life", que causou em mim o mesmo impacto quando eu ouvi "Zen Arcade" do Husker Du em 84 ou "Sonic Reducer" dos Dead Boys em 77. Esse disco eu considero um passo à frente no hardcore, tão bom quanto ouvir "Damaged" do Black Flag de 1981.

A figura central do Fucked Up é sem dúvida seu vocalista Pink Eyes (conjuntivite). Em 2008 o semanário New Musical Express dedicou uma capa pra banda e divulgou essa foto do gorducho.

05 - THE KING BLUES - "Save The World Get The Girl"
A quinta grande surpresa de 2008 pra mim foi a banda britanica The King Blues. A primeira vez que ouvi falar deles foi no programa do Zane Lowe da BBC1, confesso que a principio quando vi no set list do programa achei estranho o nome The King Blues. Jamais imaginaria que fosse uma banda influenciada pelo punk do Clash, pelo ska do Specials e por muito reggae. Imediatamente fui em busca dos dois álbuns do trio "Under the Fog" de 2007 e esse mais recente "Save The World, Get The Girl".Uma das músicas mais grudentas desse disco é "My Boulder", pena que não foi o hit que a banda esperava, mas com certeza eles mereciam fazer sucesso, confira!
http://www.myspace.com/thekingblues

06 - THEE VICARS - "Back On The Streets"
Além da influencia punk minha sexta escolha o Thee Vicars também bebe na fonte garage sixties e Billy Childish deve ser um ídolo dos garotos, pois o som deles também tem algo de Milkshakes e Headcoats. Esse disco de estréia do Thee Vicars tem 16 músicas, todas eles com menos de dois minutos.

O selo onde gravam o Thee Vicars é o Dirty Water Records, uma gravadora inglesa especializada em bandas mais garageiras, acima a foto de um dos singles em vinil do Vicars.
http://www.myspace.com/theevicarsuk

07 - TITUS ANDRONICUS - "The Airing of Grievances"
THE GASLIGHT ANTHEM - "The ´59 Sound"

Uma outra descoberta dessa nova geração americana foi o Titus Andronicus, que ocupa minha sétima posição. Assim como o Gaslight Anthem, eles vem de New Jersey, mas não são influenciados pelo "boss" Bruce Springsteen. Dividem suas influencias com o hardcore do Minor Threat, mas também gostam de Jonathan Richman e seu Modern Lovers, e até mesmo Neutral Milk Hotel e seus conterraneos Yo La Tengo. Diante de tantas referencias o que se pode notar ao ouvir o cd de estréia da banda é que esses caras ainda vão dar o que falar em 2009, pois esse cd "The Airing of Grievances" será relançado em 2009 agora por uma gravadora maior a XL Recordings.
http://www.myspace.com/titusandronicus
quem quiser o Gaslight Anthem tem no "rock for masses"
http://rockformasses.blogspot.com/

08 - NO AGE "Nouns"
Na oitava colocação ficou a dupla de Los Angeles "No Age" com o álbum "Nouns". Esse é o segundo disco do No Age e apareceu na maioria das listas dos melhores de 2008.É impressionante como o duo sabe trabalhar as influencias punks de um Ramones ou Stiff Little Fingers com o experimentalismo psicodélico de um Psychic TV.
http://www.myspace.com/nonoage

09 - WAVVES - "Wavves"
TIMES NEW VIKING - "Stay Awake EP"

É também dessa nova geração californiana minha nona escolha, o Wavves, uma criação do músico de San Diego, Nathan Willians, que faz um estilo "lo-fi beach punk". Antes desse cd de estréia Nathan Willians lançou alguns singles e uma fita cassete por volta de agosto desse ano e agora tudo se concretiza no formato CD e LP. Mais uma grande surpresa como quando descobri no inicio do ano o Times New Viking, que deveria constar dessa lista, mas como eram só dez nomes, injustamente fui esquecer deles, mas considerem um empate tecnico com o Wavves.
http://www.myspace.com/wavves
se quiser ouvir a fita cassete mais "lo-fi noise" de 2008 gravada no quarto de Nathan de um pulo no bolachas grátis, links abaixo. É como se Brian Wilson tivesse toomado todo ácido do mundo (uma quase verdade) e passasse a curtir Crass, Sex Piltols, Wire e Ramones.Aproveite e ouça o EP "Stay Awake" do Times New Viking
http://bolachasgratis.baywords.com/?p=2139
http://bolachasgratis.baywords.com/?p=1858

10 - THE REVELLIONS - "The Revellions"
E encerrando em décimo lugar os irlandeses de Dublin, The Revellions, nesse caso muito mais uma garage sixties band no genero Music Machine. Uma agradável descoberta que eu fiz através de uma indicação do site da loja Piccadilly Records.
http://www.myspace.com/therevellions

09 dezembro 2008

Musiquinhas de natal


Todo ano é a mesma história, algumas bandas resolvem lançar musiquinhas de natal, o resultado final pode ser do bizarro ao sublime. Aqui temos tres exemplos em video, o primeiro é da banda britanica Wombats que lança esta semana o single "Is This Christmas?", uma brincadeirinha em torno do espirito natalino. A critica inglesa em geral não curtiu a palhaçada dos garotos do Wombats, que antes disso eram levados a sério depois de hits como "Let´s Dance To Joy Division", que apesar das letras bem humoradas do álbum de estréia, o Wombats tinha um conceito fortissimo no meio indie. Essa música de natal segundo a critica deu uma queimada no filme dos caras.

Bem diferente do Wombats a banda inglesa I Like Trains lança o EP "The Christmas Tree Ship" com cinco músicas instrumentais no estilo da banda. Já comentei anteriormente o disco de estréia dos caras, que segundo a critica, adoram contar histórias de generais ingleses e figuras mortas tragicamente no passado. Apesar do astral pesado o I Like Trains é uma ótima banda e esse EP instrumental de natal é um exemplo disso. Junto com o EP vem um dvd com os clips das músicas, esse acima é um making of da primeira faixa "The Christmas Tree Ship"

Agora se fosse pra escolher o melhor single de natal de 2008 eu voto em "Santa´s Coming Over" do Low. Essa banda de Minneapolis é uma das minhas favoritas desde 1996 quando ouvi o terceiro album "The Curtain Hits The Cast". Em 1999 eles lançaram um EP natalino chamado "Christmas" e foi um sucesso com a crítica. Esse ano resolveram editar um compacto de vinil com duas músicas "Santa´s Coming Over" e "The Coming Of Jah". O video da primeira faixa do single é essa maravilha acima.
Ainda no quesito canções natalinas temos o EP do Glasvegas "A Snowflake Fell ( And It Felt Like a Kiss), que por sacanagem foi encartado numa segunda edição do álbum de estréia da banda escocesa. Protestos dos fãs não faltaram, pois pra ter esse EP fisicamente voce terá que desenbolsar novamente o valor do cd, pois ele não é vendido separadamente. A não ser que voce prefira fazer um download das faixas.
link nos comentários.
Mais um detalhe, nesse blog tem uma postagem muito legal sobre alguns clássicos natalinos pra baixar:
http://entretenedor.wordpress.com/2008/12/04/ja-e-natal/
Tem podcast de natal, "artrock 17"
tracklist
1.cocteau twins - frosty the snowman
2.i like trains - south shore
3.the wombats - is this christmas?
4.asobi seksu - merry christmas (i don't want to fight tonight)
5.the killers - don't shoot me santa
6.low - santa's coming over
7.glasvegas - a snowflake fell (and it felt like a kiss)
8.glasvegas - silent night (noapte de vis)

link
http://kidvinil.podomatic.com/entry/2008-12-19T13_21_34-08_00

01 dezembro 2008

Chan Marshall é a figura mais "cool" de 2008



Essa história de lista das pessoas mais "cool" de 2008 esse ano não surtiu muito efeito. A lista publicada pelo NME no mês passado, passou despercebida.
Além do que na opinião do NME "cool" são aqueles "hypados" pelo jornal.
Como a mulher mais "cool" da música pop em 2008 não aparece nessa lista?
Chan Marshall a famosa Cat Power na minha opinião é a mais "cool" de 2008, 2009, 2010....
Desde que comecei a lançar os discos da Matador pela Trama em 2000, sempre fui vidrado pela Chan Marshal e os discos da Cat Power.
Antes dela vir pro Brasil fiz uma entrevista espetacular com ela durante a festa dos 10 anos do selo Matador Records em NY. Que mulher inteligente e apaixonante, de um bom gosto musical dificil de encontrar nas musas da nova geração.
No ano passado Chan Marshall atingiu sua maturidade musical ao lançar o álbum "The Greatest", acompanhada de músicos americanos e veteranos da chamada "Southern Soul Music".
Neste ano de 2008 ela lançou outra grande prova de seu bom gosto musical, o álbum "Jukebox", onde ela faz um tributo aos grandes vocalistas que a influenciaram.
Pra minha surpresa esta semana encontrei no "bolachas grátis", um EP só de covers
que está pra ser lançado, chamado "Dark End Of The Street". Segundo a Matador as 6 faixas desse EP, que será lançado no dia 09 de dezembro, são músicas que não entraram na edição de "Jukebox", são elas:
1. Dark End Of The Street (James Carr, Aretha Franklin) *
2. Fortunate Son (Creedence Clearwater Revival)
3. Ye Auld Triangle (The Pogues) *
4. I’ve Been Loving You Too Long (To Stop Now) (Otis Redding)
5. Who Knows Where The Time Goes (Sandy Denny / Fairport Convention) *
6. It Ain’t Fair (Aretha Franklin)

É impressionante ouvi-la cantando "Fortunate Son" do Creedence, re-arranjada naquela levada peculiar de Chan Marshall, quem conhece o primeiro disco de versões, "The Covers Record (2000)" do Cat Power sabe do que estou falando.
A seleção desse pequeno repertório dá uma clara idéia da cultura musical de Chan Marshall, é genial incluir num mesmo repertório Pogues, Fairport Convention, Aretha Franklin e Otis Redding. Já ouvi muitas versões de "I´ve Been Loving You Too Long" de Otis Redding, mas esta da Cat Power me deixou emocionado. Se voce gosta de Cat Power não perca tempo, vá nesse link do bolachas grátis e ouça esse novo EP.
http://bolachasgratis.baywords.com/?p=3081

O primeiro posto da lista dos mais "cool" de 2008 ficou para Alice Glass a vocalista do duo canandense Crystal Castles. Não tiro os méritos da dupla, que aliás foi capa do NME duas vezes em 2008. Realmente o disco de estréia do duo está na minha lista dos melhores de 2008, mas na minha opinião Chan Marshall é a mais "cool" de 2008


No ano passado nossa Lovefoxx foi a mulher mais "cool" eleita pelo NME, em 2008 ela ficou com a posição de numero 32, e o comentário foi que apesar do album "Donkey" do CSS não superar o primeiro disco, Lovefoxx continuou brilhando nos palcos britanicos.

24 novembro 2008

A lista da revista MOJO


(capa do álbum "Microcastle" do Deerhunter)

Já que entrei no mérito de comentar listas, saiu também a lista da revista MOJO e muita coisa previsível e um pouco menos metida a vanguardista como a lista da Rough Trade. Um dos melhores discos de 2008 na minha opinião e de muita gente que lê esse blog não consta em nenhuma das duas listas, essa é uma falha imperdoável. Estou me referindo ao álbum "Microcastle" do Deerhunter, uma verdadeira obra prima de 2008. Não é possível, pelo menos na lista do Pitchfork esse disco vai ter que constar.
Não é uma lista ruim e até privilegia alguns discos que dificilmente estarão na lista do NME como "Eli "Paperboy" Reed & The True Loves e Pete Molinari.
Tem até Metallica e AC/DC, só faltou "Chinese Democracy"(Ui!!!).

Segue abaixo a lista do 50 discos de 2008 pela MOJO

1 - Fleet Foxes - Fleet Foxes
2 - The Last Shadow Puppets - The Age Of The Understatement
3 - Paul Weller - 22 Dreams
4 - Bon Iver - For Emma, Forever Ago [2007]
5 - Nick Cave & The Bad Seeds - Dig, Lazarus, Dig!!!
6 - The Hold Steady - Stay Positive
7 - Glasvegas - Glasvegas
8 - The Week That Was - The Week That Was
9 - The Bug - London Zoo
10 - Neil Diamond - Home Before Dark
11 - Portishead - Third
12 - Don Cavalli - Cryland
13 - Drive-By Truckers - Brighter Than Creation’s Dark
14 - British Sea Power - Do You Like Rock Music?
15 - Eli “Paperboy” Reed & The True Loves - Roll With You
16 - Erykah Badu - New Amerykah Part One (4th World War)
17 - Sigur Rós - Með suð í eyrum við spilum endalaust
18 - Pete Molinari - A Virtual Landslide
19 - Beck - Modern Guilt
20 - TV on the Radio - Dear Science
21 - Amadou & Mariam - Welcome to Mali
22 - Mercury Rev - Snowflake Midnight
23 - Elbow - The Seldom Seen Kid
24 - Fucked Up - The Chemistry of Common Life
25 - Randy Newman - Harps and Angels
26 - Peter Broderick - Home
27 - M83 - Saturdays=Youth
28 - Neon Neon - Stainless Style
29 - Yeasayer - All Hour Cymbals [2007]
30 - The Night Marchers - See You in Magic
31 - Duffy - Rockferry
32 - Seasick Steve - I Started Out With Nothin’ and I Still Got Most of It Left
33 - Kasai Allstars - In the 7th Moon, the Chief Turned Into a Swimming Fish and Ate the Head of His Enemy by Magic
34 - Fuck Buttons - Street Horrrsing
35 - Our Broken Garden - When Your Blackening Shows
36 - MGMT - Oracular Spectacular
37 - Gavin Bryars & Philip Jeck & Alter Ego - The Sinking of the Titanic [2007]
38 - Goldfrapp - Seventh Tree
39 - Abe Vigoda - Skeleton
40 - The Black Keys - Attack & Release
41 - The Fall - Imperial Wax Solvent
42 - Juana Molina - Un Día
43 - Aimee Mann - @#%&*! Smilers
44 - Goldmund - The Malady Of Elegance
45 - Metallica - Death Magnetic
46 - James Hunter - The Hard Way
47 - Flying Lotus - Los Angeles
48 - AC/DC - Black Ice
49 - The Neil Cowley Trio - Loud… Louder… Stop
50 - Oasis - Dig Out Your Soul

20 novembro 2008

A lista dos melhores de 2008 segundo a Rough Trade


Saiu com uma certa antecipação a lista dos 50 melhores álbuns de 2008, publicada esta semana no site da loja de discos mais moderna do planeta, a Rough Trade.
www.roughtrade.com

O primeiro posto foi para o americano Justin Vernon, mais conhecido como Bon Iver, com o álbum "For Emma, Forever Go" (capa acima).
Meu palpite era fortíssimo pra esse álbum, gravado numa total solidão em uma cabana em Wisconsin. Justin Vernon tem uma voz maravilhosa e une simplicidade e riqueza de arranjos num só disco. Ele nos faz lembrar que é possivel gerar uma obra prima numa cabana com poucos recursos, alguns microfones, uma bela voz e instrumentos acústicos.
Na verdade esse Bon Iver não é um disco lançado em 2008, pois no ano anterior Justin Vernon o editou por sua conta em numero limitado de cópias com outra capa. No inicio de 2008 o pessoal do selo Jagjaguwar ouviu o disco e resolveram editar oficialmente dando essa nova capa.
http://www.myspace.com/boniver

02 - FLEET FOXES - FLEET FOXES

De acordo com a Rough trade, Fleet Foxes é a resposta de Seattle ao Crosby,Stills, Nash & Young e eu concorodo plenamente. Uma das melhores atrações do South By South West de 2008. No início do ano o Fleet Foxes lançou em EP chamado "Sun Giant" e depois veio essa maravilha de álbum de estréia, que também merecia o premio de disco do ano.
http://www.myspace.com/fleetfoxes

03 - VAMPIRE WEEKEND - VAMPIRE WEEKEND

Um grupo de estudantes novaiorquinos se reunem em 2006 e começam a se apresentar no circuito alternativo. Imediatamente chamam a atenção com um EP limitado e esgotado imediatamente na loja Other Music de NY. O hype em torno da banda estava só começando, em seguida sai esse excelente álbum de estréia que reúne influências afro, pós punk, funk, folk. Um delicioso cruzamento de Paul Simon e Talking Heads.
http://www.myspace.com/vampireweekend

04 - WHITE DENIM - WORKOUT HOLIDAY

White Denim é um trio de Austin no Texas, que produziu um dos mais criativos álbuns de rock de 2008. Uma energia garage punk comparada a Minutemen, Stooges e MC5. Um powertrio dos tempos modernos.
http://www.myspace.com/bopenglish

05 - METRONOMY - NIGHTS OUT


Um disco cercado de amor ódio pela crítica. Obra de Joseph Mount, que atualmente mora em Brighton na Inglaterra. Em 2007 lançou seu primeiro álbum também muito elogiado. Esse ano ousou mais ainda nas sonoridades eletronicas, fazendo um disco dançante e ao mesmo tempo experimental, que confundiu demais alguns criticos desavisados. Felizmente a Rough Trade entendeu a mensagem.
http://www.myspace.com/metronomy

Os 45 restantes...

6. El Guincho - `Alegranza`
7. Benga - `Diary of an African Warrior`
8. Zombie Zombie - `A Land for Renegades`
9. Vivian Girls - `Vivian Girls`
10. Ladyhawke - `Ladyhawke`
11. TV on the Radio - `Dear Science`
12. Black Angels - `Directions to See a Ghost`
13. Department of Eagles - `In Ear Park`
14. The Hold Steady - `Stay Positive`
15. Crystal Castles - `Crystal Castles`
16. Kings of Leon - `Only By the Night`
17. Hercules and Love Affair - `Hercules and Love Affair`
18. Santogold - `Santogold`
19. Friendly Fires - `Friendly Fires`
20. Apollo Sunshine - `Shall Noise Upon`
21. Atlas Sound - `Let The Blind Lead Those Who Can See But Cannot Feel`
22. MGMT - `Oracular Spectacular`
23. Peter Broderick - `Home`
24. Crystal Stilts - `Alright of Night`
25. Fuck Buttons - `Street Horrrsing`
26. Spiritualized - `Songs in A & E`
27. The Acorn - `Glory Hope Mountain`
28. Dodos - `Visiter`
29. Baltic Fleet - `Baltic Fleet`
30. David Holmes - `Holy Pictures`
31. The Bug - `London Zoo`
32. Dengue Fever - `Venus on Earth`
33. Earth - `The Bees Made Honey in the Lion`s Skull`
34. 2562 - `Aerial`
35. The Heart Strings - `Try Fly Blue Sky`
36. Gang Gang Dance - `Saint Dymphna`
37. David Byrne & Brian Eno - `Everything That Happens Will Happen Today`
38. Headless Heroes - `The Silence of Love`
39. The Breeders - `Mountain Battles`
40. Johnny Flynn - `A Larum`
41. Portishead - `Third`
42. Of Montreal - `Skeletal Lamping`
43. Pete & The Pirates - `Little Death`
44. Torche - `Meanderthal`
45. Lykke Li - `Youth Novels`
46. Shearwater - `Rook`
47. Foals - `Antidotes`
48. The Last Shadow Puppets - `The Age of the Understatement`
49. Sonny J - `Disastro`
50. The Shortwave Set - `Replica Sun Machine`


Algumas observações sobre a lista do Rough Trade:
Como acontece anualmente a lista da contra corrente é sempre a lista dessa loja que continua sendo a mais vanguardista.
Não se compara a qualquer lista do NME ou da revista Uncut que são as mais direcionadas pro indie pop, que aliás só saem em dezembro. A Rough Trade se adiantou em 40 dias antes do final do ano, pois pouca coisa importante sairá nesse espaço de tempo.
O lado indie pop sempre é desprezado nas listas da RT, observem que não tem Oasis,Glasvegas ou Killers. Mas vejam que tem Kings Of Leon no décimo sexto lugar.
No site da Rough Trade tem também a lista do Staff da loja e um deles fez uma observação interessante sobre o Kings Of Leon "Just a great big slab of guitars basically. And he has learned to sing. Pretty cool." Interessante nessa frase é essa brincadeira de que o vocalista "aprendeu a cantar".
Cada funcionário da loja fez sua lista, dá uma olhada no link abaixo
http://www.roughtrade.com/site/chart_detail.lasso?chart_id=sean_08
Na lista do Sean ele abre fazendo uma piadinha com os punks dizendo:
"how many punks does it take to change a lightbulb"
Isso faz lembrar daquela piada de portugueses:
Quantos portugueses são necessários pra trocar uma lampada?
Tudo isso pra justificar o primeiro de sua lista, os punks de Seattle
Steve E Nix and The Cute Leppers - "Can´t Stand Modern Music"
(esse disco é espetacular lembra Johnny Thunders and The Heartbreakers e Buzzcocks)
Aprendi a respeitar essas listas e não questionar muito sobre elas, pois tem muito do gosto pessoal dos caras da loja. Quem já entrou em alguma das lojas da Rough Trade vai entender do que estou falando. Em resumo os caras vão fundo em tudo que há de mais moderno e vanguardista na opinião deles, é claro, concorde você ou não.
Dê sua opinião.

27 outubro 2008

Mais bandas do Brooklyn, NY


Já comentei por aqui e no podcast, (aliás já estamos indo pro numero 10 do Artrock)que o Brooklyn em NY é a nova sede criativa do indie rock americano. Nunca vi tanta banda legal sair de um mesmo lugar. Prova disso são minhas tres próximas dicas.
A primeira é um dos meus discos favoritos de 2008 "In Ear Park" do Department Of Eagles. O mesmo impacto que me causou no ano passado o álbum "Person Pitch" do Panda Bear, veio com esse "In Ear Park". Concebido por dois amigos de escola Fred Nicolaus e Daniel Rossen, o projeto existe desde 2000 quando atendiam pelo nome de "the Whitey on the Moon UK",mas em 2003 uma banda San Francisco já usava o mesmo nome, então mudaram para Department Of Eagles. Essa obra prima de 2008 "In Ear Park" é o segundo disco deles e conta com a participação dos amigos da outra banda de Daniel Rossen, o Grizzly Bear.

A sonoridade e a delicadeza dos arranjos lembra seus amigos do Animal Collective e ao mesmo tempo traz referencias de Van Dyke Parks. Esse disco Daniel Rossen dedicou ao seu falecido pai,e o titulo "In Ear Park" é uma referencia às memórias de infancia, de um parque onde ele passeava com seu pai.
http://bolachasgratis.baywords.com/?p=1128

A grande influência no trabalho do Department of Eagles é sem dúvida esse disco do compositor, músico e arranjador americano Van Dyke Parks. "Song Cycle" foi o primeiro disco de Van Dyke Parks, que começou jovem como cria de Phil Spector, tocou teclado no álbum "Fifth Dimension" dos Byrds. Em 1965 foi apresentado a Brian Wilson dos Beach Boys e contribuiu para o álbum "Smile" a obra inacabada dos Beach Boys, que só foi completada em 2004. Em 1966 quando eles interromperam as sessões de gravação de "Smile", Van Dyke Parks resolveu fazer seu álbum de estréia. Em 1968 era lançado "Song Cycle" um dos mais obscuros clássicos do chamado "Baroque Pop". Uma obra prima sem precedentes, onde ele mistura psicodelismo, arranjos orquestrais,bluegrass e ragtime. Além de suas composições, nesse disco ele regravou "Colours" um clássico de Donovan e abre o álbum com "Vine Street" de Randy Newman. Pra quem não conhece a obra de Van Dyke Parks eu recomendo os dois primeiros álbuns "Song Cycle" (1968) e "Discover America" (1972)

O duo High Places também do Brooklyn, Rob Barber e Mary Person, também foram comparados com Panda Bear e El Guincho, mas vão um pouco além em suas experiencias musicais. Usando não sómente instrumentos convencionais, mas utilizando até uma parafernália doméstica percussiva. O disco foi gravado no apartamento do casal no Brooklyn e os utensilios de cozinha foram utilizados como percussão. Talvez um dos trabalhos mais ousados dessa turma do Brooklyn, onde misturam indie pop, musica eletronica, world music, dub e referencias jazzisticas.
http://www.myspace.com/hellohighplaces

Pra encerrar esse talvez seja o mais pop das tres dicas do Brooklyn, o Crystal Stilts, que me fez lembrar Spaceman 3,Spiritualized, Velvet Underground, Suicide, My Bloody Valentine e naturalmente The Jesus And Mary Chain. O grupo acaba de lançar seu segundo álbum "Alight Of Night", um dos grandes discos de 2008. Ao mesmo tempo que o disco parece soar nostálgico diante de tantas referencias, ele também representa um passo à frente pra essa geração influenciada pelo pós punk.
http://www.myspace.com/crystalstilts

08 outubro 2008

CREATION



Decidi postar esta homenagem a Creation Records, um dos selos independentes mais importantes da história do indie pop britanico. Alan McGee é um cara genial, sua trajetória é tão significante quanto a do DJ John Peel.

29 setembro 2008

Mais bandas femininas


Pegando o gancho do post anterior com as meninas do Those Dancing Days, resolvi comentar sobre a minha nova paixão as Vivian Girls. Tres garotas do Brooklyn, NY, aliás onde as coisas acontecem atualmente. Esse bairro de Nova Iorque nunca esteve tão em alta como agora, só sai banda boa desse lugar. As Vivian Girls são Cassie Ramone, Kickball Katty e Ali (foto abaixo)

Lançaram tres singles em edição limitada, todos esgotados e imediatamente chamaram a atenção dos críticos com seu som que nos faz relembrar aquela celebrada turma do
C86 da Creation. Um cruzamento de My Bloody Valentine com Shop Assistants, com uma pitada de Shangri-Las via Phil Spector. Tem momentos que lembram Lush e Vaselines.
A melhor banda americana que apareceu depois das garotas de Portland, Sleater-Kinney.
Esta semana o selo americano In The Red reedita o álbum de estréia do trio, vale a pena escutá-las no myspace e assistir ao video de "Tell The World".
http://www.myspace.com/viviangirlsnyc

19 setembro 2008

Nem só de Abba vive a Suécia



Tá certo que a primeira coisa em termos de música que nos faz lembrar da Suécia é o Abba. Isso pra maioria das pessoas, mas pros "indies" é diferente, lembraremos de Cardigans, The Hives e dos mais recentes, Pete, Bjorn and John e Shout Out Louds (aliás vão tocar em breve no Estudio-SP). Existe ainda uma nova geração como Love is All, The Knife e naturalmente Those Dancing Days, um quinteto de garotas, que começaram ainda adolescentes. A baixista Mimmi declara em suas entrevistas: "A Suécia sempre teve e continua tendo coisas melhores do que Abba, mas ao mesmo tempo se contradiz afirmando que apesar de tudo ainda gosta de Abba".
Perguntada qual a razão de tantas bandas Suecas de qualidade aparecendo atualmente, a guitarrista Rebecka responde: "Os Suecos são muito timidos e a melhor maneira de expressar seus sentimentos é através da música pop"
Jovens e inexperientes as garotas do Those Dancing Days dizem que "estão na chuva pra se molhar", levar quantos tombos se tornarem necessários. Essa é a vantagem de se começar bem jovem, elas não tem nada a perder, estão apenas aprendendo. Na entrevista a revista Artocker as suecas também falaram da facilidade de se montar uma banda na Suécia, pois as escolas incentivam, é muito fácil de se conseguir instrumentos, daí todo mundo pode ter a sua banda, é so ter vontade de fazer música.
Quanto às influências elas não gostam de certas comparações com bandas como Sugarcubes, por exemplo. "Nosso som não tem nada a ver com bandas da Islândia", declaram. A música que fazemos tem muitas influências , uma mistura de Northern Soul e bandas da decada de 60. O nome Those Dancing Days, foi inspirado num clássico do Led Zeppelin do álbum "Houses Of The Holy" a famosa "Dancing Days".
A música de estreia das meninas levava o nome da banda "Those Dancing Days" e foi o primeiro single a ser lançado na Inglaterra. Em seguida saiu o single "Run Run" que também arrancou elogios de toda crítica. Na próxima semana sai o álbum de estréia das meninas do Those Danging Days, a verdadeira prova de que a Suécia tem muito mais a oferecer do que simplesmente Abba.
De uma espiada nos links abaixo e ouça Those Dancing Days
http://www.myspace.com/thosedancingdays
http://bolachasgratis.baywords.com/

15 setembro 2008

Americanos


Tenho a nítida impressão de que 2008 é o ano do novo rock americano. A maioria dos bons discos que ouvi até agora são de bandas da América.Já comentei aqui do Fleet Foxes, Vampire Weekend, Black Kids, Hold Steady, Jay Reatard, Black Lips e White Denim.
Agora existem duas perolas que acabo de adquirir os CDs (coisa do passado né? comprar CDs) mas eu ainda tenho esse vício quando gosto de uma banda, não me conformo com uma cópia e aquele som comprimido sem graça. Isso aconteceu com o CD de Bon Iver, tem que ser original pra se sacar todas as nuances de um dos mais belos discos acústicos gravados este ano. Bon Iver é na verdade um americano chamado Justin Vernon, que há uns anos atrás tinha um banda indie-folk chamada DeYarmond Edison na linha do Iron & Wine e das coisas do Bonnie "Prince" Billy. Quando a banda acabou ele adotou esse pseudonimo que em frances quer dizer "good Winter" ou "bom inverno", pronuncia-se "bohn eevair". Este cd de estréia foi gravado em 2007 e lançado de forma independente chamando atenção do Pitchfork e do New York Times, que chamou o disco de "irresistível". No inicio de 2008 o selo indie Jagjagwar, licenciou a master desse disco e o lançou oficialmente.
Estou apaixonado por esse disco, quem sabe ele será o meu eleito como melhor disco de 2008. Um trabalho que me conquistou até pela forma com que ele foi concebido, Justin se refugiou numa cabana de seu pai num bosque de Wisconsin, durante o inverno e ficou por lá sózinho durante quase três meses gravando esse disco. Às vezes fica impossível acreditar que uma só pessoa conseguiu gravar um álbum tão maravilhoso.
São apenas 9 faixas somando 37 minutos e não me canso de voltar e ouvir tudo novamente. A voz de Justin Vernon é algo tão harmonico que parece um instrumento.O álbum "For Emma, Forever Ago" parece um diário pessoal de Justin contando suas frustrações, seu medo e toda agonia de três meses confinado numa cabana.
No final da postagem deixo uma apresentação ao vivo de Bon Iver no programa "Later" de Jools Holland, onde ele o apresenta como um cara que gravou um belíssimo disco numa cabana.

SHEARWATER
Aproveitando esse gancho de novas bandas americanas vou comentar sobre o Shearwater, uma outra paixão recente, pois já era fã do Okervill River e daí descobri esse projeto do Will Sheff. Inspirados em Leonard Cohen, Nick Drake e seguindo a linha dos mais recentes como Bill Callahan e Will Oldham. Só abrindo um parênteses aqui, semana passada fui ver o Bill Callahan no Studio SP e adorei a apresentação dele sómente na guitarra e um batera o acompanhando, a voz de Bill Callahan é espetacular, algo entre Leonard Cohen, Lou Reed e Leon Russel. Salve o Smog!
Voltando ao Shearwater que já conta com cinco álbuns lançados, recomendo os dois mais recentes editados pela Matador, "Palo Santo" de 2006 e este mais novo chamado "Rook", mais um dos meus candidatos ao melhor de 2008.

07 setembro 2008

Podcast Kid Vinil!

Finalmente! Atendendo a pedidos Kid começou a fazer seu podcast!
O título do podcast é "Artrock" e é dedicado às novas bandas do cenário internacional. Neste primeiro episódio temos bandas como White Denim, Ipso Facto, Bombay Bycicle Club, entre várias outras, entremeadas pelos comentários sempre interessantes de Kid.
Visite o endereço aqui.
Baixe o programa (mp3, 128kbps), comente, assine o feed. Em breve o segundo episódio já estará no ar!
http://www.kidvinil.podomatic.com/

Agora já no quinto programa!!

03 setembro 2008

Compactos do Cure


Hoje com tanta novidade aparecendo a gente se preocupa mais com os modernos e acaba esquecendo ou passando batido em bandas clássicas como The Cure. No inicio deste ano Robert Smith pra comemorar os 30 anos do Cure juntou-se com seus músicos de longa data, o baixista Simon Gallup, o baterista Jason Cooper e o genial guitarrista Porl Thompson (agora de volta ao Cure) e resolveu lançar uma série de 4 quatro singles em vinil e CD, sempre no dia 13, começando em maio com "The Only One", em 13 de junho veio "Freakshow", em 13 de julho "Sleep When I'm Dead" e em 13 de agosto "The Perfect Boy". Semana que vem sai um CD single de remixes desses quatro singles e no dia 13 de Outubro sai o décimo terceiro álbum de estúdio do Cure reunindo as faixas "Lado A" desses singles, os "lados b" não entrarão no álbum e o restante será uma série de inéditas.
O que dizer sobre o The Cure? Pra muitos criticar é fácil falando que Robert Smith não fez nada de novo ou não seguiu nenhuma onda electro sei lá o que pra ser moderninho. Tá certo ele, manteve o estilão de sempre do Cure e não errou. O que se pode ouvir nesses quatro singles é o autentico estilo The Cure que continua influenciando gerações. O terceiro desses singles a faixa "Sleep When I´m dead" é uma das coisas mais incríveis que Robert Smith fez nos últimos anos, pop perfeito com a marca registrada Cure, isso é o que vale.
Nunca me esquecerei aquele dia lá pelos idos de 1987 quando entreguei pra Robert Smith o premio de melhor banda da revista Bizz no Teatro Municipal do Rio Janeiro. Apertei aquela mãozinha flácida e milagrosa, era como se tivesse beijado a mão do Papa, foi um momento mágico na minha vida. (é sério mesmo!!!).
Confesso que continuo fã do Cure e comprei todos esses compactos e estou aguardando ansiosamente pelo álbum dia 13 de Outubro.
Fiquem com o video de "Freakshow", detalhe: Fat Bob não mudou em nada, até o penteado continua o mesmo, lindo!!!

26 agosto 2008

Kiwi rock


Os ingleses costumam chamar os habitantes da Nova Zelandia pelo "carinhoso" apelido de "kiwis". Não sei, mas sempre achei isso uma gozação deles com os neozelandeses. Por sorte os britanicos sempre reconhecem e dão valor à boa música feita na Nova Zelandia. Dois recentes exemplos são as bandas So So Modern que abre esta postagem e o trio Die! Die! Die!. A aposta dessas duas novas bandas é num som pós punk vigoroso e inspiradissimo.Eles mesmo se definem como "Synthgasm", alíás esse é o nome de uma de suas músicas. O So So Modern lançou recentemente um cd chamado "Friends & Fires", que reúne uma série de compactos de vinil de 7 polegadas lançados no ano passado pelo cultuado selo inglês Transgressive Records. Segundo a revista Artorcker o som do quarteto vai além das idéias pós punk semeadas pelos seus parceiros de gravadora o Young Knives. O So So Modern veio pra se juntar a essa nova geração de bandas britanicas como Maths Class, Late of the Pier e XX Teens, que ainda mantém viva a tradição do "artrock".
http://www.myspace.com/sosomodern

No mesmo pacote podemos incluir o trio de Kiwis Die! Die! Die! (foto acima)
Com uma pegada mais pro punk os garotos citam Fugazi, Husker Du, Black Flag, Joy Division e até mesmo Nirvana dentre suas influencias. O novo single "Sideways Here We Come" soa como uma mistura de Jane´s Addiction e Klaxons. O novo cd "Promises, Promises" acaba de ser lançado pelo cultuado selo ingles Too Pure e voce pode ouvir algumas faixas no myspace
http://www.myspace.com/diediedienz
Outra banda da Nova Zelandia pra gente ficar de olho é o Cut Off Your Hands, que está com um single novo chamado "Expectations". A banda cita como uma de suas maiores referencias Phil Spector. O som tem uma cara sixties com uma leitura moderna no genero Mystery Jets.
http://www.myspace.com/cutoffyourhands
É bom saber que a Nova Zelandia não parou no som dos Datsuns e não produziu sómente bandas pop como Crowded House. Na verdade nos anos oitenta tiveram algumas bandas geniais como, The Chills, Bats e Split Enz. Lembrando que hoje uma banda muito comentada além das duas que eu destaquei no inicio é o Flight of The Conchords um duo neozelandes, na verdade uma comedy band que teve recentemente seu álbum lançado pela Sub Pop e acabou ganhando reconhecimento da critica mundial.
http://www.myspace.com/conchords

COMPACTOS DE VINIL O ARTEFATO QUE SUBSTITUIU O CD SINGLE

Saindo do assunto Nova Zelandia resolvi falar dos compactos de 7 polegadas em vinil que continuam sendo minha paixão e uma febre no Reino Unido.
As grandes gravadoras inglesas também resolveram embarcar nessa febre dos compactos de vinil, o que antes era apenas um privilégio das bandas e dos selos independentes agora toma o mercado através das grandes gravadoras. A Sony começa a lançar suas bandas primeiro em compacto de vinil e depois no cd. A indústria britanica começa a falar em parar de fabricar o cd single e fazer apenas compactos de vinil das bandas iniciantes ou até mesmo das consagradas.
Essa onda de compactos de vinil limitados acaba tomando proporções absurdas, uma das mais recentes foi a aventura dos americanos da Matador Records lançando cinco compactos com músicas inéditas do grupo de Jay Reatard. No decorrer desse ano a Matador colocou no mercado 500 cópias de cada single que esgotaram imediatamente no site da gravadora. O último e mais recente saiu no dia 12 de agosto com tres capas e cores diferentes, esgotaram no mesmo dia e hoje no site de leilões da ebay atingem 300 doloares pelos tres singles de vinil. Em Outubro a Matador reune esses cinco compactos de Jay Reatard com mais algumas inéditas e lança tudo num só cd.
Abaixo segue uma sequencia de singles dessa nova safra de bandas britanicas que eu recomendo.
A primeira é o Maths Class, um quinteto de Brighton que mistura Liars com Foals em seu estilo concrete punk. Pra entender melhor ouça "Nerves" uma das faixas do single "Now This Will Take Two Hands". Uma mistura de pós punk, pós metalcore diluido numa levada disco. Um som de fazer John Lydon sentir saudades do PIL.
http://www.myspace.com/mathsclass

Uma disputada edição limitada em vinil mais recente é da banda Magistrates, quarteto da cidade de Essex, que difere de toda essa nova geração pós Libertines. No myspace deles http://www.myspace.com/magistratesband ficam bem claras as influencias através das capas dos discos que eles mais gostam, tipo Prince "Purple Rain", Talking Heads "Remain In Light" e A Tribe Called Quest. Algo novo, inteligente e criativo no pop britanico que de repente começava a mostrar sinais de cansaço, mas espero que bandas como Magistrates deeem uma revitalizada nisso.

Da geração pós Young Knives dá pra destacar mais uma Thomas Tantrum, um quarteto britanico com vocal feminino, fãs de Gang of Four e Wire. O álbum de estréia da banda sai em setembro pelo selo Too Pure que no passado lançou Pj Harvey, Stereolab e Hefner dentre outros. De uma ouvida no single "Work It", a música me fez lembrar uma banda que eu adorava nos anos 80 o Altered Images.
http://www.myspace.com/thomastantrum

Na onda new folk uma boa surpresa é o quarteto londrino Noah and The Whale que acabam de lançar o álbum "Peaceful, The World lays me down" um disco que consegue ao mesmo tempo unir as tradições da música folk com o pop. Usando arranjos de violino e banjo na melhor tradição Incredible String Band eles conseguem um resultado bem pop, como no quase "hit" single "5 Years Time"
http://www.myspace.com/noahandthewhale

Quando comecei a falar sobre os compactos lá em cima citei que a Sony começou a investir pesado nos compactos de vinil. No incio do ano quando contrataram o Ting Tings começaram com um single limitado e depois os cds. Com o Glasvegas a gravadora colocou a disposição compactos em 2 partes. Pra nova edição de Daddy´s Gone existem dois compactos com músicas inéditas do lado B, um deles vem com uma cover de "Come As You Are" do Nirvana.
Abaixo a capa da da mais recente contratação o Twisted Wheell,um trio de Manchester. Esse é o segundo single deles pela Sony editado sómente em vinil "You Stole The Sun".
http://www.myspace.com/thetwistedwheel

28 julho 2008

Kitty, Daisy & Lewis


Há algumas semanas uma lojinha inglesa de compactos de vinil deu como single da semana a música "Going Up The Country" interpretada pelo trio Kitty, Daisy & Lewis. Imediatamente fui até o myspace deles http://www.myspace.com/kittydaisyandlewis e fiquei fascinado com o trio. Nunca imaginava que tres crianças inglesas teriam a habilidade de fazer rockabilly e hillbilly com tanta competencia. Kitty tem 15 anos, Daisy 20 e Lewis 17. Os irmãos começaram a tocar há sete anos atrás incentivados pelo pai e sua coleção de "roots" do rock and roll que incluiam aqueles antigos bolachões de 78 rotações. Nesse meio tempo o trio aprendeu a tocar vários instrumentos, que eles revezam ao vivo. O primeiro lançamento em cd do trio curiosamente não foi um disco deles, mas uma coletanea de "oldies" que mostram suas influencias. A capinha do cd duplo é a foto acima que abre a postagem.

Depois disso o trio lançou dois compactos pelo selo ingles Sunday Best, o mais recente é "Going Up The Country" a música que me chamou atenção, um antigo blues que fez muito sucesso no final da decada de 60 com a minha mais amada banda de blues psicodélico de todos os tempos o Canned Heat. Também foi tema do documentário/filme Woodstock lançado em 1970.
O álbum de estréia do Kitty, Daisy & Lewis acaba de sair na Inglaterra, mas a critica nem se interessou pelo disco pois muitos criticos britanicos acham que a fórmula do rockabilly é algo desgastado e datado e ninguém dá a mínima. Um exemplo disso foi o recente cd de estréia do Vincent Vincent & The Villains, outra sensacional banda de rockabilly totalmente ignorada pela mídia inglesa. Indiferentes a tudo isso o trio se apresentou recentemente no festival de Glastonbury e tapou a boca de muito critico arrogante. É prazeiroso ouvir tres crianças dessas fazendo um som tão crú, tudo foi gravado de forma análoga, num estúdio caseiro e com um resultado vintage, nos dando a perfeita impressão de um disco gravado na decada de 50 no lendário estúdio de Sam Phillips, a "Sun Records".
Talvez até em homenagem ao pai o trio resolveu lançar uma edição especial desse cd de estréia numa caixa contendo cinco bolachões daqueles bem antigos que rodam em 78 rotações. (Fiquei desesperado pois não tenho mais vitrola com 78 rotações, preciso comprar uma ou um gramofone urgentemente, existe fetiche maior do que ter essa caixa com 5 vinis?) No site da gravadora Sunday Best voce pode encontrar essa tal caixa que estou falando http://www.sundaybest.net/
Outra coisa bem legal no som da banda é que a voz de Daisy me faz lembrar bastante uma cantora de rockabilly dos anos 50 que eu amo desde garoto, seu nome é Wanda Jackson.
Deem uma olhada nesse vídeo de "Going Up The Country" e depois me digam se não é maravilhoso ver essa juventude fazendo rockabilly de verdade, mas sem essa de saudosismo. Se Amy Winehouse, Duffy e sei lá quem mais podem beber na fonte Motown e todo mundo acha moderno, porque não ir mais fundo e explorar as raízes do rock and roll como fizeram essas tres magnificas crianças londrinas.

16 julho 2008

XX Teens


Na nova edição da revista Artrocker o XX Teens está mais uma vez na capa e a chamada é bem pretensiosa "O Novo Velvet Underground?". Com certeza nada a ver, pois a primeira vez que ouvi a banda eles ainda atendiam pelo antigo nome Xerox Teens, isso foi no começo do ano passado quando peguei o single Darlin´. O nome da banda teve que ser mudado pois a empresa Xerox não permitiu o uso do nome e eles mudaram para XX Teens. Nesse post temos as duas Artrocker que eles foram capa, na segunda foto quando eles ainda atendiam por Xerox Teens em maio de 2007. Essa primeira fase da banda era até mais experimental do que o som que se ouve agora no álbum de estréia "Welcome To The Goon Island".A música "Darlin´" cujo clip eu coloquei no final da postagem é uma canção espetacular com um arranjo que mais parece um cruzamento de Fall com Frank Zappa e Captain Beefheart. Essa complexidade musical não durou muito, pois a banda às vesperas de gravar o álbum de estréia por uma grande gravadora além da mudança do nome, mudou sua formação e deu uma enxugada no som.

A principio me parecia algo assustador pensar que aquela tão promissora banda britanica cedeu aos encantos de uma grande gravadora. Por sorte nem tudo está perdido como provaram em seus singles "How To Reduce the Chances of Being a Terror Victm" e no mais recente "Only You". O XX Teens conseguiu manter a essência daquele experimentalismo incial e fez disso um dos discos de estréia mais instigantes de 2008
Vale a pena visitar o site deles, http://www.xxteens.co.uk/ ou se quiser pegar o disco vá no blog http://rockformasses.blogspot.com/ (hoje tem até o novo Primal Scream)
Abaixo segue o clip de "Darlin" um quase curta metragem e muito bem produzido.